Arquivos

Posts Tagged ‘doença do tabaco verde’

Os Sinais de Fumaça do Cazaquistão! Kazakhstan’s Smoke Signals

21 de setembro de 2010 Comentários desligados

Os Sinais de Fumaça do Cazaquistão

(PULMAOSANEWS) Uma das formas de comunicação dos índios americanos era através de sinais de fumaça enviados ao ar e que indicavam notícias ruins ou más.

Em 2009 a Human Rights  Watch conduziu várias missões  investigativas  junto aos trabalhadores migrantes de fazendas de Tabaco no Kazaquistão,que resultou no Relatório Hellish.

Segundo A Human Rights Wacht, os sinais de fumaça provenientes destas plantações de tabaco indicam que o governo do Kasaquistão falha em proteger os trabalhadores migrantes de trabalhos abusivos.

Como única compradora de todo o tabaco produzido no Cazaquistão, a Phillip Morris International  tem também  responsabilidade sobre  os problemas dos direitos humanos resultantes das suas atividades comerciais e deveria resolvê-los.

Uma Comissão do Congresso Americano também concordou com estes sinais emitidos no relatório da Human Rights Watch e iniciou investigações a respeito da atuação da Phillip Morris naquele país, inclusive sobre a possibilidade de exploração de mão de obra infantil.

O Vídeo abaixo, em inglês, faz um breve relato da situação trabalhística no Casaquistão e reforça o pedido de alerta da PULMAO S.A. feito no artigo intitulado:A independência do Casaquistão ainda não aconteceu, aos ministros do Trabalho e da Justiça dos Países produtores de tabaco para exportação, como é o caso do Brasil.

ENGLISH

Kazakhstan’s Smoke Signals

(PULMAOSANEWS) One form of communication was by the Native American smoke signals sent to the air and that showed bad news or bad.

In 2009, Human Rights Watch conducted several investigative missions to migrant workers from the tobacco farms in Kazakhstan, which resulted in Hellish report.

According to Human Rights Wacht, the signs of smoke from these tobacco plants indicate that the Kazakhstan government’s failure to protect migrant workers from abusive work.

As the sole buyer of all tobacco produced in Kazakhstan, the Phillip Morris International also has responsibility for the human rights problems arising from their commercial activities and should solve them.

A Commission of  American Congress
also agreed with these signals in the report by Human Rights Watch and started investigations regarding the role of Phillip Morris in the country, including the possibility of exploitation of child labor.

The Video above, in English, gives a brief account of the situation in Kazakhstan workerist and strengthens the  PULMAOSA Warning made in the article titled: “The independence of Kazakhstan has not happened yet,” to the ministers of Labour and Justice of the producing countries tobacco for export, as is the case of Brazil and USA.

Congresso Americano investiga Companhia de Tabaco por trabalho infantil – US Congress investigates overseas labor data from Tobacco Company

20 de julho de 2010 Comentários desligados

Congresso Americano investiga atuação de companhia de tabaco no exterior

Na última sexta-feira (16 de julho) uma comissão de investigação do Congresso Americano solicitou a Companhia Philip Morris explicações a respeito de denúncias sobre exploração de trabalho infantil, condições de trabalho insalubre e até trabalho forçado em atividades realizadas fora dos Estados Unidos.

A denúncia surgiu a partir de reportagem realizada pelo Jornal The New York Times, sobre relatório da Human Rights Watch que denunciava que a fabricante do Marlboro estava associada a pelo menos 72 casos onde havia exploração de trabalho infantil em plantação de tabaco na Ásia, especificamente no Cazaquistão, conforme já relatado pela PULMAOSA em artigo intitulado “ A independência do Casaquistão ainda não aconteceu.”

A requisição de explicações a companhia foi feita pela Comissão de assuntos associados à Energia e ao Comércio, encarregada desde Janeiro de 2007 a investigar quaisquer alegações de práticas de trabalho abusivas por parte das companhias americanas seja em território nacional ou no exterior, e que já investigou denúncia de trabalho infantil em uma fábrica no exterior de  uma companhia de artigos esportivos.

Estas práticas incluem, por exemplo, trabalho forçado, retenção ilegal de documentos, condições de trabalho insalubres ou inseguras, trabalho ou exploração de mão de obra infantil e esforços realizados pelas empresas a fim de impedir tais atos.

A requisição foi assinada nesta sexta-feira (16 de julho de 2010), pelo deputado republicano pelo estado da Califórnia Henry A. Waxman, e pelo presidente da subcomissão de fiscalização e investigação, Bart Stupak, democrata de Michigan.

A Comissão do Congresso Americano exigiu uma resposta formal até Agosto de 2010.

Fontes:

PULMAOSANews – PULMÃO S.A. – Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

The New York Times

ENGLISH

US Congress investigates overseas labor data from Tobacco Company

US Congress Building

(PULMAOSANEWS) Last Friday (July 16) an investigating committee of American Congress called for the Philip Morris Company’s explanations regarding complaints about child labor, unhealthy working conditions and forced to work in activities performed outside the United States.

The complaint arose from a report carried by The New York Times about a report by Human Rights Watch denounced the maker of Marlboro was associated with at least 72 cases where there was child labor in tobacco plantation in Asia, specifically in Kazakhstan, as already reported by PULMAOSA in an article titled   “The Kazakhstan independence has not happened yet.”

The request came from the Commission on issues related to Energy and Commerce, in charge since January 2007 to investigate any allegations of unfair labor practices by American corporations is in the national territory or abroad, and who has investigated the complaint of child labor a plant abroad for sporting goods company.

These practices include, for example, forced labor, illegal withholding of documents, unhealthy working conditions or unsafe labor or exploitation of child labor and efforts by companies to prevent such acts.

The requisition was signed on Friday (July 16, 2010), by the  California State Republican Rep. Henry A. Waxman, and the chairman of the subcommittee on oversight and investigations, Bart Stupak, a Michigan Democrat.
The Congress Committee demanded a formal reply until August 2010.

Sources:

PULMAOSANews – PULMAOSA – Your atmosphere, Your Life! ®

The New York Times


CategoriasPare de Fumar / Quit, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A independência do Casaquistão ainda não aconteceu – The Kazakhstan independence has not happened yet

18 de julho de 2010 Comentários desligados

Casaquistão - Kazakhstan

A Indepedência do Casaquistão ainda não Aconteceu

(PULMAOSANEWS)-  A República do Casaquistão, situada na Ásia, constitui o nono maior país em extensão territorial do mundo, e conquistou sua independência formal em 1991.

Mas segundo um relatório da Human Rights Watch, a sua independência ainda não aconteceu. Pelo menos em termos das relações trabalhistas praticadas no país.

O relatório mostra que o trabalho infantil e forçado é generalizado nas fazendas que fornecem tabaco à uma fábrica de cigarros de propriedade da Philip Morris International, no Cazaquistão.Estes trabalhadores são geralmente imigrantes  originários de países vizinhos, como Quirguistão.

Além da exploração de mão de obra infantil as condições de trabalho locais eram insalubres ou inseguras, segundo reportagem do New York Times publicada na última sexta-feira, 16 de julho de 2010.

O relatório cita “não haver no local acesso fácil à água potável, por exemplo, obrigando aos trabalhadores a consumir água proveniente de canais de irrigação contaminada com agrotóxicos. “

O relatório também documentou violações das regras de segurança de base agrícola, como os trabalhadores usando sapatos abertos, expondo os dedos e trabalhando com enxadas afiadas.

Segundo a Companhia Philip Morris : “Apenas uma pequena fração de compras global de tabaco Philip Morris são feitas no país,” depois de ter sido fornecido uma cópia do relatório, mas disse que concordou com mudanças radicais nas suas políticas de compras, no Cazaquistão.

“Uma empresa como a Philip Morris, certamente tem os recursos para pôr fim a essas práticas”, Jane Buchanan, uma pesquisadora sênior da Human Rights Watch.

O Trabalho infantil é deplorável, sendo, portanto injustificável. Segundo o Dr. Marcos Nascimento, Consultor Médico da  PULMÃO S.A: “ No caso da exploração infantil nas plantações de tabaco, há um agravante:  A colheita da folha do tabaco é manual, para não danificar as folhas, e ao colher, o trabalhador absorve pela pele altas quantidades de nicotina, que intoxica o organismo dos trabalhadores e provoca a doença do tabaco verde. Isso já é intolerável para adultos expostos, o que dizer então de crianças?”

Fica um alerta para os Ministérios do Trabalho e da Justiça dos países produtores de tabaco.

Veja Vídeo  da Human Rights Watch sobre o Cazaquistão

Fontes:

PULMAOSANews – PULMÃO S.A. – Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

The New York Times

*Veja outros Artigos da Série “Pare de fumar:”

ZOO LÓGICO? -Salvem a Atmosfera das nossas crianças

Cigarros são também prejudiciais a saúde financeira

Prezado Tiger Woods: Cigarro, Charuto ou Cachimbo são derivados de tabaco e todos são mortais, inclusive na estratégia de marketing

Video sobre DPOC-  DP o quê?

Fumar durante a gravidez = “Fogo amigo !”



The Kazakhstan independence has not happened yet

(PULMAOSANEWS) – The Republic of Kazakhstan, located in Asia, is the ninth largest country in territorial extension of the world, and gained formal independence in 1991.

But according to a report by Human Rights Watch(HRW), its independence has not happened yet. At least in terms of labor relations practiced in the country.

The report shows that child labor and forced labor is widespread in the farms that supply tobacco to a cigarette factory owned by Philip Morris International, in Kazakhstan. These workers are usually immigrants from neighboring countries such as Kyrgyzstan.

Besides the exploitation of child labor, working conditions were unhealthy or unsafe locations,according to New York Times article published last fridayJuly 16th,2010.

The report cites “no on site easy access to drinking water, for example, forcing workers to consume water from irrigation canals contaminated with pesticides. “

The HRW ‘s report also documented violations of safety rules of agricultural base, such as workers using open shoes, exposing his fingers and working with sharp spades.

According to Philip Morris Company: “Only a small fraction of overall purchases of tobacco Philip Morris are made in the country,” after having been provided a copy of the report, but said he agreed with radical changes in their purchasing policies in Kazakhstan.

“A company like Philip Morris certainly has the resources to end these practices,” Jane Buchanan, a senior researcher at Human Rights Watch.

The Child labor is deplorable and is therefore unjustifiable and according to Dr. Marcos Nascimento, Medical Consultant of PULMAOSA: “In the case of child exploitation on the tobacco plantations, there is an aggravating factor: the removal of tobacco leaf is manual,in order of not  damaging the leaves. So, the worker absorbs  high amounts of nicotine by skin, which intoxicates the body of workers and causes a disease known as  “Green Tobacco Sickness.” This is already intolerable for adults exposed, Imagine what about children?

It is a warning to the Ministries of Labor and Justice of the tobacco producing countries.

Watch The Human Rigths Video about Kazakhstan

See  “Zoo Logic?”  story to protect and educate kids about tobacco related diseases

Follow @PulmaoSA at Twitter

Sources:

PULMAOSANews – Lungs, Your atmosphere: Your Life! ®

The New York Times

CategoriasCrianças/ Children, Pare de Fumar / Quit, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Doença do Tabaco Verde

15 de setembro de 2009 Comentários desligados

A Doença do Tabaco Verde / Bebedeira do Fumo ou seu equivalente em inglês “Green Tobacco Sickness” é na verdade uma intoxicação pela nicotina no momento da colheita do fumo. Seus principais  sintomas são: tontura, mal estar, cefaléia (dor de cabeça), enjôos, vômitos, tremores, visão turva e alteração de nível de consciência (agitação psico-motora).

Muita conhecida entre os plantadores de fumo, e infelizmente pouco notificada, agora esta vindo a tona devido a intessa campanha contra o tabagismo em todo o mundo e em especial nos países mais p0bres onde estão as plantações. Ela acontece no momento em que os agricultores sem os devidos equipamentos de proteção individual entram em contato com a planta e através da pele absorvem a nicotina das folhas. O período de intoxicação pode durar até 80 horas e pode se repetir a cada exposição.

Segundo matéria publicada no Jornal do Comércio em 30/07 (http://jcrs.uol.com.br/jc/site/noticia.php?codn=4347), o governo já está tomando medidas para que esta doença ocupacional seja notificada e tratada como todas as outras. Em Brasília, no início de Agosto, foi realizado um Seminário com duração de dois dias para a discussão do assunto.

Como grandes combatentes contra o tabagismo, nós da PULMÃO:S.A. gostaríamos mais uma vez de lembrar que também podemos ajudar nossos trabalhadores do campo a combater esta doença e é simples: VAMOS PARAR DE FUMAR! Cessando o tabagismo, estes mesmos trabalhadores deverão diversificar suas colheitas e não sofrerem com mais esta doença. Lembramos que o motivo pelo qual o plantio do fumo é prevalemte é justamente o fator econômico, pois a venda da colheita é garantida e consequentemente seus sustentos também.

Lembramos que neste momento esta começando na Assembléia Legislativa a votação da LEI ANTI-FUMO na cidade de Curitiba. Estamos torcendo !!!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: