Arquivos

Posts Tagged ‘Vacina H1N1’

Paraná e Rio de Janeiro prorrogam Vacina H1N1 até 11 de Junho – Parana and Rio will extend H1N1 Vaccination until June 11

2 de junho de 2010 Comentários desligados

Vacina H1N1 Vaccine

As Secretarias Municipal de Saúde  do Rio de Janeiro e Estadual do Paraná prorrogaram até o dia 11 de junho a vacinação contra a Influenza H1N1.

A prorrogação da campanha de vacinação será prioritária para dois grupos no Estado do Paraná: Gestantes e crianças de 2 a 5 anos incompletos poderão tomar a vacina.

Na cidade do Rio de Janeiro, Jovens de 20 a 39 anos e pessoas com mais de 60 anos portadoras de doenças crônicas vão poder se vacinar.Os idosos poderão tomar de uma vez as vacinas contra a gripe H1N1 e contra a gripe comum, que também teve seu período de imunização estendido até a mesma data.

O Paraná este ano já registrou 1.223 casos confirmados da doença e outros 1.937  foram PCR negativo para gripe pandemica H1N1. Onze pacientes evoluíram com complicação do quadro clínico e foram a óbito.

A PULMÃO S.A. relembra a necessidade de se complementar a segunda dose da vacina para crianças, quer seja na rede pública ou privada, para atingir eficácia máxima na imunização contra o vírus H1N1.

Fontes:

PULMAOSANEWS

Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro;

Secretaria Estadual de Saúde do Paraná.

ENGLISH

The Health Secretariats of the city of Rio de Janeiro and Parana State extended until June 11 the period to vaccine against H1N1.

The extension of the vaccination campaign will be the priority for two groups in the State of Paraná: Pregnant women and children 2-5 years incomplete may take the vaccine.

In Rio de Janeiro, young people of  20-39 years old and over 60 years old with chronic diseases will be able to receive a vaccine shot. The elderly may take the vaccines against H1N1 influenza and the seasonal flu, which also had its immunization period extended until the same date.

Parana has already registered this year 1223 confirmed swine flu cases and 1937 others were PCR negative. Eleven patients developed clinical complications and died.

Sources:

PULMAOSANEWS
Health Secretariat of Rio de Janeiro City;
Department of Health of Paraná State

Mortes pediátricas por H1N1 nos USA foi 4 vezes maior que gripe comum -H1N1 Pediatric deaths in the USA were 4 times larger than seasonal influenza

7 de maio de 2010 Comentários desligados

Influenza Virus

Mortes pediátricas por H1N1 nos Estados Unidos é 4 vezes maior que gripe comum

PULMAOSANEWS- Orlando, FL- Em comunicado realizado durante reunião da Academia  Americana de Pediatria  fora constatado por técnicos do CDC que a pandemia de gripe H1N1 matou 317 crianças em suas duas primeiras ondas nos Estados Unidos! Este número é quase quatro vezes o número médio de mortes pediátricas – observado nas últimas cinco estações de gripe, que foram 82.

A maioria dos óbitos aconteceram em crianças pertencentes a grupos de risco e numa faixa etária média de 9,4 anos, portanto mais velhas em comparação com o grupo comumente afetado pela gripe comum ou sazonal, cuja média foi de 6,2 anos. uma diferença que era significativo em P <0,01.

Este dado corrobora e reforça o pedido realizado pela PULMAOSA para que o Ministério da Saúde  estenda a cobertura dos escolares no Brasil.

O CDC informa ainda que dos óbitos associados à gripe pandêmica, 205 (ou 65%) tinha uma condição de alto risco médica subjacente.

Essas condições incluem doença pulmonar obstrutiva crônica, distúrbios neurológicos, Asma e doença cardíaca.   Mas, em contrapartida, entre os 155 que morreram nas últimas duas temporadas da gripe, apenas 67 (ou 43%) eram portadores destas comorbidades.

Não houve diferenças significativas na raça, gênero ou etnia, segundo o CDC.

Acesse a PULMAOSA no TWITTER

FONTES:

PULMAOSANEWS

CDC- USA

ENGLISH

H1N1 Pediatric deaths in the USA was 4 times larger than seasonal influenza


PULMAOSANEWS- Orlando, FL-In a statement during a meeting of the American Academy of Pediatrics, the CDC’s experts told that pandemic influenza H1N1 has killed 317 children in their first two waves in the USA! This number is almost four times the average number of pediatric deaths – observed in the past five flu seasons, which were 82.

Most deaths occurred in children belonging to risk groups and a mean age of 9.4 years, so older compared with the group commonly affected by common cold or seasonal, which averaged 6.2 years, a difference that was significant at    P <0.01.

This finding corroborates and reinforces the claim made by PULMAOSA for the Ministry of Health to extend the coverage of schoolchildren in Brazil.
The CDC also said that the deaths related to pandemic influenza, 205 (or 65%) had a high risk condition underlying medical.

These conditions include chronic obstructive pulmonary disease, neurological disorders, Asthma and heart disease. But in contrast, among the 155 who died in the last two flu seasons, only 67 (or 43%) were carriers of these comorbidities.
No significant differences in race, gender or ethnicity was observed, according to the CDC.

Follow us at TWITTER

SOURCES:

PULMAOSANEWS
CDC-USA

CategoriasH1N1, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A IMPORTÂNCIA DA VACINA ANTIINFLUENZA SAZONAL-THE IMPORTANCE OF SEASONAL influenza vaccination

13 de abril de 2010 Comentários desligados

A IMPORTÂNCIA DA VACINA ANTIINFLUENZA SAZONAL

A PULMÃO S.A. desde a eclosão da pandemia por gripe suína/H1N1 tem publicado vários artigos sobre a relevância da proteção vacinal a respeito das doenças respiratórias, como as vacinas anti pneumocócicas heptavalente, 13 valente e Pneumo-23; e as vacinas antiinfluenza pandêmico H1N1 e sazonal.

Em artigo do Jornal Médico Clinical Infectious Disease of America disponível para consulta desde 9 de abril de 2010, os autores chamam a atenção para a possibilidade da ocorrência de gripe tanto por influenza A/H1N1, por influenza sazonal(gripe comum) e também da possibilidade de Co-infecções, isto é, infecções mistas tanto por influenza sazonal quanto por influenza pandêmico H1N1.

No estudo em questão em 45 pacientes com síndrome gripal avaliados, em 40 foram confirmadas laboratorialmente gripe pelo vírus influenza A.Destas, 22 obtiveram o diagnóstico de gripe H1N1 pandêmica(Suína), 12 obtiveram o diagnóstico de gripe sazonal por vírus H3N2, e 6 foram diagnosticadas com gripe por co-infecção de ambos os vírus.

Análises seqüenciais revelaram que os vírus detectados eram suscetíveis ao  anti viral oseltamivir (Tamiflu ® ) e que co-infecções são plausíveis de ocorrer em um mesmo paciente, chamando a atenção para se estar vacinado também contra o influenza sazonal, sobretudo para os pertencentes aos denominados grupos de risco como os asmáticos, portadores de DPOC e outras doenças crônicas como a fibrose cística, portadores de insuficiência renal,hemoglobinopatias, pacientes em tratamento para câncer , gestantes,crianças e adultos jovens saudáveis,escolares, etc.

Veja o Abstract do Artigo ( em Inglês)

Fonte:

PULMAOSANEWS-PULMÃO S.A. –Sua Atmosfera,Sua Vida! ®

ENGLISH

THE IMPORTANCE OF SEASONAL INFLUENZA VACCINATION

The PULMAOSA since the outbreak of pandemic influenza by swine flu / H1N1 has published several articles on the relevance of vaccine protection in respect of respiratory diseases, such as the heptavalent pneumococcal vaccine, 13valent, Pneumo-23, and anti-influenza pandemic H1N1 and seasonal vaccines .

An Study published in the Medical Journal Clinical Infectious Disease of America available for consultation since April 9, 2010, the authors draw attention to the possibility of the occurrence of  Co-infections, ie, mixed infections by both seasonal influenza aand also a pandemic influenza H1N1 at the same patient.
In this study, 45 patients with flu-like illness was evaluated. 40 were laboratory-confirmed influenza virus influenza A. Of these, 22 were diagnosed influenza A pandemic H1N1 (Swine flu); 12 patients had a diagnosis of seasonal influenza virus H3N2, and 6 were diagnosed with influenza by co-infection of both viruses.
Sequential analysis revealed that the viruses detected were susceptible to anti viral oseltamivir (Tamiflu ®) and the co-infections are plausible to occur in the same patient, calling attention to be vaccinated against seasonal influenza, especially for those belonging to so-called risk groups such as asthmatics, COPD and other chronic diseases such as cystic fibrosis, renal failure, haemoglobinopathies, patients being treated for cancer, pregnant women, scholars,children, Health youth people, etc..

See the Abstract of article (in English)

Source:
PULMAOSANEWS-SA-LUNGS: Your atmosphere, Your Life! ®

TIPOS DE VACINA ANTI H1N1 NO BRASIL

11 de abril de 2010 Comentários desligados

Vacinas anti H1N1 de 3 Laboratórios

Serão utilizadas pela rede pública no Brasil vacinas de 3 laboratórios diferentes:Instituto Butantan,GlaxoSmithKline (GSK) e Novartis.Na rede privada será utilizada uma vacina conjugada ( Vírus influenza sazonal + Influenza pandêmico H1N1).

A PULMÃO S.A. objetivando esclarecimento,publica este informe sobre os tipos de vacinas utilizadas na campanha Nacional de Vacinação contra o H1N1.

1.Vacina do Instituto Butantan (sem adjuvante):

Composição: vírus influenza fragmentado, propagado em ovos, inativado

contendo antígeno equivalente a:

- cepa análoga A/California/7/2009(H1N1)(NYMCX-179A ): 15μ de hemaglutinina por dose de 0,5 ml

- outros componentes: timerosal*, cloreto de sódio, cloreto de potássio, fosfato de sódio dibásico, fosfato de potássio monobásico e água para injetáveis.

A vacina já vem diluída em frascos de 10 doses. Antes da sua abertura, realizar uma homogeneização, com movimentos rotatórios suaves.

Após a abertura do frasco, desde que mantidos em temperatura adequada (entre +2oC e +8oC) e adotados os cuidados que evitem a sua contaminação,poderão ser utilizadas pelo período de 7 dias

Esquema de aplicação e dose:

Idade                       Dose (ml)             Número de doses

6 a 35 meses             0,25 ml            2 doses (intervalo de 4 semanas, mínimo de 21 dias)

3 a 8 anos                   0,5 ml            2 doses (intervalo de 4 semanas, mínimo de 21 dias)

≥ 9 anos                      0,5 ml                        dose única

2.Vacina da GSK (com adjuvante)*:

* ATENÇÃO: Vacinas com adjuvantes: não são recomendada para uso em Gestantes! As vacinas recomendadas para grávidas são portanto as sem adjuvantes do Institito Butantã e a da Novartis.

Composição:

(H1N1)A/Califórnia/7/2009: 3,75μ de hemaglutinina por dose de 0,5ml.

- adjuvante: AS03 composto de esqualeno; DL-α tocoferol e polissorbato 80

- excipientes: a) suspensão (com antígeno): tiomersal, cloreto de sódio,fosfato de sódio dibásico, fosfato de potássio monobásico, cloreto de potássio, água para injeção; b) emulsão (com adjuvante): cloreto de sódio,fosfato de sódio dibásico; fosfato de potássio monobásico, cloreto de potássio, água para injeção

vacina apresenta 10 doses que não vem diluída. Vem apresentada em dois frascos (emulsão e suspensão) que antes da sua abertura, deverão ser homogeneizados suavemente. ATENÇÃO: Antes da abertura de cada frasco, realizar uma homogeneização, com movimentos rotatórios suaves. Misturar a emulsão na suspensão e após a mistura, realizar nova homogeneização.Após a mistura, desde que mantidos em temperatura adequada (entre +2º C e +8ºC)  e adotados os cuidados que evitem a sua contaminação, poderão ser utilizadas  pelo período de 24 horas.

Esquema de aplicação e dose:

Composição antígeno propagado em ovos vírus like

Idade                          Dose (ml)                       Número de doses

6 mesesa 8 anos          0,25 ml        2 doses (intervalo de 4 semanas, mínimo de 21 dias

≥ 9 anos                       0,5 ml                               Dose única

3.Vacina da Novartis (sem adjuvante)

Composição: antígeno propagado em ovos “vírus like” H1N1/A/California/7/2009: 15μ de hemaglutinina por dose de 0,5 ml.

*outros componentes: tiomersal, traços de proteína do ovo, polimixina, neomicina, betapropiolactone.

- Vacina de 10 doses que já vem diluída. Antes da sua abertura, realizar uma homogeneização, com movimentos rotatórios suaves.

- Após a abertura do frasco, desde que mantidos em temperatura adequada (entre +2ºC e +8ºC) e adotados os cuidados que evitem a sua contaminação, poderão ser utilizadas pelo período de 24 horas.

Esquema vacinal:

IDADE                                                                  DOSES

- crianças dos 4 anos a < 9 anos de idade       2 doses de 0,5 ml com intervalo de 30 dias

≥ 9 anos de idade:                                                          Dose única de 0,5 ml.

Esquema de aplicação e dose:

Idade                     Dose (ml)                        Número de doses

4 anosa 8 anos       0,5 ml                           2 doses (intervalo de 4 semanas, mínimo de 21 dias)

≥ 9 anos                 0,5 ml                                   Dose única

Via de aplicação:

IM- Intra Muscular

*para as crianças menores de 2 anos de idade, usar o vasto lateral da coxa.

ADENDOS:

1: Timerosal é um preservativo que tem o papel de evitar a contaminação do frasco e assim manter a sua esterilidade. É utilizado em vacinas do calendário básico como a vacina dupla tipo adulto (dT) e contra hepatite B.A quantidade presente de mercúrio nesses produtos é extremamente pequena, e não é nociva à saúde.

2: Esqualeno é um produto encontrado em plantas, animais e humanos (é um componente da membrana celular). Também pode ser encontrado no óleo de fígado de peixes e vegetais (como o óleo de oliva). Esse adjuvante é utilizado para incrementar a resposta imune da vacina. E já é utlizado desde 1997 em vacinas contra influenza sazonal (Fluad®, Novartis) onde já foram distribuídas mais de 40 milhões de doses.

FONTES:

PULMÃO S.A.- Sua Atmosfera, Sua Vida!®

Secretaria de Saúde de São Paulo

Siga-nos no TWITTER: http://twitter.com/PulmaoSA

Veja também:

Cronograma de Vacinação contra o H1N1

PULMÃO S.A. ALERTA: Gestantes têm 13 X mais chance de gripe suína grave

O que gestantes devem saber sobre gripe suína?

Risco de epidemia maior faz PULMÃO S.A. defender vacina para escolares

De Volta para o Futuro: Seus Avós tomaram Vacina da Gripe em 1958?

Gripe Suína/ H1N1:Guia para Escolas

Perfil Epidemiológico da Gripe H1N1 nos USA

ASMA:Principal Condição Associada a Internações por H1N1 nos USA

Miocardite em Crianças com Gripe H1N1


CategoriasH1N1, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

PULMAOSA ESCLARECE SOBRE VACINA ANTIINFLUENZA H1N1,GESTANTES E ADJUVANTES

27 de março de 2010 Comentários desligados

VACINA ANTIINFLUENZA VACCINE

VACINA ANTIINFLUENZA H1N1,GESTANTES E ADJUVANTES

A propósito do assunto envolvendo adjuvantes e vacina antiinfluenza H1N1,sobretudo após o enfoque dado a gestantes, A PULMÃO S.A. publica o questionário abaixo com perguntas e respostas:

1. O que são Adjuvantes de vacinas?

R:São substâncias que são adicionadas as vacinas para aumentar a resposta do sistema imune(sistema de defesa do organismo).1

2.Que estudos foram feitos em 2009 para as vacinas contra a gripe H1N1? Houve algum feito em mulheres grávidas?

R:Estudos para testar as vacinas contra a gripe H1N1 em crianças e adultos saudáveis e as mulheres grávidas estão em andamento nos Estados unidos.Há alguns resultados  de estudos já disponíveis que foram feitos em adultos não-gestantes e crianças.

Os resultados mostram que o sistema imunológico respondeu bem à vacina contra o H1N1.Em termos de segurança, os resultados foram muito semelhantes aos observados em estudos de vacina contra a gripe sazonal(comum).Estes estudos foram  conduzidos pelo Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) e pelos fabricantes das vacinas.Para maiores detalhes veja: Relatórios sobre os estudos(em inglês) e

Estudo em gestante ( em andamento) com vacina antiinfluenza H1N1 sem adjuvante

3. Quais são os adjuvantes de vacinas licenciados nos Estados Unidos?

R:  Sais ou gel de alumínio são os adjuvantes de vacinas licenciados para uso nos Estados Unidos ( o alumínio é um dos metais mais comuns encontrados na natureza e está presente no ar, alimentos e água).

4.Qual a duração da proteção conferida pela vacina antiinfluenza?

R:Um ano. O vírus da gripe é capaz de mudar suas características com muita frequência e a cada ano é necessário o desenvolvimento de nova vacina sob orientação da OMS.

5. Nas vacinas antiinfluenza sazonal e anti H1N1 que foram aplicadas nos Estados Unidos, algum adjuvante fora utilizado?

R: Não, não foram utilizados adjuvantes em nenhuma vacina antiinfluenza sazonal tampouco na anti H1N1 pandêmico de 2009

6.A vacina contra a gripe H1N1 pode ser tomada a qualquer momento(em qualquer trimestre) durante a gravidez?

R:Ambas as vacinas antiinfluenza, tanto a contra a gripe sazonal e a anti H1N1 pandêmico são recomendadas para mulheres grávidas, em qualquer trimestre durante a gravidez.

7.Por que as gestantes devem tomar a vacina antiinfluenza sazonal e a anti H1N1?

R: A mulher gestante tem um risco maior para ter a gripe sazonal e segundo trabalhos publicados em jornais médicos tem um risco 13 vezes maior de ter complicações e de internação por gripe suína(H1N1), principalmente após a 20ª semana de gravidez,constituindo portanto, grave ameaça a mãe e ao seu bebê.A PULMAOSA adverte,com base em recomendação da literatura médica disponível, que as vacinas antiinfluenza são a melhor maneira de proteger a você e a sua família contra a gripe sazonal e também contra a gripe suína.

8. A vacina antiinfluenza protege 100% contra a gripe?

R: Não, as vacinas antiinfluenza começam a estimular o sistema imunológico a partir de 14 dias após sua tomada.Por volta de três meses após a tomada da vacina,há um nível de proteção em torno de 80 a 85%.

Portanto, pode-se ter gripe mesmo tendo tomado a vacina,porém esta gripe será mais leve e causará menos complicações,reduzindo em muito a chance de mortalidade.

9. Há vacinas com e sem adjuvantes? O que seria melhor para gestantes?

R: Sim, há de fato disponível no mercado vacinas com e sem adjuvantes.

Como os estudos realizados com gestantes foram realizados sem adjuvantes,e como não fora realizada aplicação nos Estados unidos de vacinas com adjuvantes,por uma questão de prudência, deve se preferir a vacina sem estes produtos para gestantes.

É preciso esclarecer, contudo que as vacinas com antiinfluenza com adjuvantes foram consideradas seguras para a população não gestante.

10. Em que situações a vacina antiinfluenza sazonal e a anti H1N1 não devem ser tomadas?

R: As vacinas antiinfluenza NÃO deverão ser tomadas:

  • Por pessoas com histórico de alergia severa a ovo,
  • Quando há alergia a vacina da gripe sazonal;
  • Quando há febre;
  • E por crianças com menos de seis meses de idade (A vacina não foi aprovada para este grupo).

REFERÊNCIAS:

(1). Davenport L. Regulatory considerations in vaccine design. In:Vaccine design: The subunit and adjuvant approach. Powell M, Newman M, editors. New York: Plenum Press; 1995.

(2). CDC-USA- Centers for Disease Control and Prevention guidelines;

(3) US. National Institute of Allergy and Infectious Diseases;

(4)USIH- United States Institutes of Health

(5)PULMÃO S.A. –Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

Siga-nos no TWITTER: http://twitter.com/PulmaoSA

Veja também:

Cronograma de Vacinação contra o H1N1

PULMÃO S.A. ALERTA: Gestantes têm 13 X mais chance de gripe suína grave

O que gestantes devem saber sobre gripe suína?

Risco de epidemia maior faz PULMÃO S.A. defender vacina para escolares

De Volta para o Futuro: Seus Avós tomaram Vacina da Gripe em 1958?

Gripe Suína/ H1N1:Guia para Escolas

Perfil Epidemiológico da Gripe H1N1 nos USA

ASMA:Principal Condição Associada a Internações por H1N1 nos USA

Miocardite em Crianças com Gripe H1N1

ENGLISH

FAQs ABOUT H1N1 influenza vaccine, PREGNANT WOMEN AND ADJUVANTS

The purpose of this article is to make clear the matter involving antiinfluenza vaccines’ adjuvant, especially after the emphasis given to pregnant women, The PULMAOSA publishes a FAQs with questions and answers below :

1. What are vaccines‘ adjuvants ?

A: These are substances that are added to vaccines to increase immune response system .1

2. What studies were done in 2009  about  H1N1 -vaccines ? Has there been some study done with pregnant women?

A: Studies to test vaccines against H1N1 influenza in healthy children, adults and pregnant women are currently underway in the United States.

There are some results of studies already available, which were made in adult non-pregnant women and children.
The results show that the immune system responded well to the vaccine H1N1. In terms of safety, the results were very similar to those observed in studies of vaccines against seasonal flu. These studies were conducted by the U.S.National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID) and by vaccines ‘industry. For more details see:

a.Reports about the studies (in English);

b.Study in pregnant women (in progress) with H1N1 influenza vaccine without adjuvant.


3. What are the vaccine adjuvants licensed in the United States?

A: Gel or salts of aluminum are vaccine adjuvants licensed for use in the United States (aluminum is one of the most common metals found in nature and is in the air, food and water).


4. How long will protection conferred by influenza vaccination?

A: One year. The flu virus can change its characteristics so often and each year it is necessary to develop new vaccine under the guidance of WHO (World Health Organization).


5. In seasonal vaccines and anti-influenza H1N1 that have been applied in the United States, some adjuvant was used?

A: No, any adjuvants were used  neither seasonal influenza vaccine nor in anti H1N1 pandemic vaccines in U.S.

6. The vaccine against H1N1 may be taken at any time (in any trimester) during pregnancy?

A: Antiinfluenza vaccines, both seasonal flu and also anti H1N1 pandemic vaccine are recommended for pregnant women in any trimester during pregnancy.

7. Why pregnant women should take the seasonal influenza vaccine and anti H1N1?

A: The pregnant women has a greater risk to have the seasonal flu and according studies published in medical journals, they have about 13 times more likely to have complications and hospitalization due to swine influenza/ H1N1, especially after the 20th week of pregnancy, thus constituting a serious threat for the mother and for her baby.

PULMAOSA warns, based on the recommendation of the medical literature available, that anti-influenza vaccines are the best way to protect you and your family from seasonal influenza and also against swine flu.

8. The influenza vaccine protects 100% against the flu?
A: No, the anti-influenza vaccines are beginning to stimulate the immune system from 14 days after shot. About three months after taking the vaccine, there is a level of protection around 80 to 85%.
So you can have flu even after taking the vaccine, but in this case, the flu will be lighter and will cause less complications, reducing the chance of mortality.

9. Vaccines are available with and without adjuvants? What would be better for pregnant women?

A: Yes, there are actually commercially available vaccines with and without adjuvants.
As studies in pregnant women were performed without adjuvants, and as no application had been made in the United States of vaccines with adjuvants, and as a matter of prudence,  you should prefer the vaccine without these products to pregnant women.
It should be clear, however, that the anti-influenza vaccines with adjuvants are considered safe for non-pregnant population.


10. In what situations the seasonal influenza vaccine and anti H1N1 should not be taken?
A: The anti-influenza vaccines should not be taken:
• For people with a history of severe allergy to eggs,
• When there is allergy to seasonal flu vaccine ;
• When there fever is a present signal;
• And for children under six months old (The vaccine was not approved for this group).

SOURCES:

(1). Davenport L. Regulatory considerations in vaccine design. In:Vaccine design: The subunit and adjuvant approach. Powell M, Newman M, editors. New York: Plenum Press; 1995.

(2). CDC-USA- Centers for Disease Control and Prevention guidelines;

(3)US. National Institute of Allergy and Infectious Diseases;

(4)USIH- United States Institutes of Health

(5) PULMAOSA- Lungs,Your Atmosphere,Your Life! ®

Follow us at TWITTER: http://twitter.com/PulmaoSA

CategoriasPrincipal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

373 Casos de Gripe A no Paraná até Março/2010 – 373 Cases of Influenza A in Paraná -Brazil in 2010

7 de março de 2010 Comentários desligados

Vírus Gripe H1N1 virus

373 Casos de Gripe A no Paraná em 2010

O número de casos de gripe suína confirmados no estado do Paraná neste ano de 2010 atingiu 373.Destes, 12 casos foram em gestantes ,segundo o último boletim da Secretaria de Saúde do Estado,publicado em 3 de março.

No mesmo boletim a Secretaria também informou a ocorrência de 5 óbitos pela gripe A/H1N1.

Do Total de casos, cerca de 75% tiveram registro em 3 regionais do Estado do Paraná: Curitiba e região metropolitana(84),Maringá (90), e Londrina(83 casos, sendo 7 gestantes).

Os óbitos por sua vez ocorreram em Maringá(2),Região Metropolitana(1),Pato Branco (1) e Ponta Grossa (1).A  faixa etária concentrou-se até os 49 anos, sendo 1 na faixa de 0 a 4 anos;

12 na faixa de 5 a 25 anos; e as outras 2 na faixa de 26 a 49 anos.

Fontes:

PULMÃO S.A. Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

SESA- Secretaria de Estado de Saúde do Paraná

ENGLISH

373 Cases of Influenza A in Paraná -Brazil in 2010

The number of swine flu cases confirmed in the state of Parana-Brazil in 2010 reached 373.

From these  373 cases , 12  were in pregnant women, according to the latest bulletin from the Health Department of State of Paraná, published on March 3,2010.
On the same bulletin, the Health Department also informed the occurrence of 5 deaths from influenza A/H1N1.
Of total cases, about 75% was registered on 3 regional district of state of Paraná: Curitiba and metropolitan region (84), Maringá (90) and Londrina (83 cases, with 7  pregnant women).
The deaths occurred  in Maringá (2), Metropolitan (1), Pato Branco (1) and Ponta Grossa (1). The age range was concentrated until 49 years, which 1 in the range of  zero to 4 years ; 2 in the range of 5 to 25 years, and the other 2 in the range of 26 to 49 years.
Sources:

PULMAOS.A.-Lungs, Your Atmosphere, Your Life! ®

SESA-Secretary of Health of the State of Paraná-Brazil

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: