Início > Principal > Influenza A:número de casos no Brasil tende a aumentar

Influenza A:número de casos no Brasil tende a aumentar

9 de julho de 2009

O número de casos no Brasil de gripe suína/Influenza A tende a aumentar devido as temperaturas mais baixas do inverno, que favorecem a replicação viral.Desde a última sexta feira(03/07), o Ministério da Saúde definiu que irá realizar testes diagnósticos apenas nos casos graves.Mas ressaltamos que os casos graves são dados de acordo com a evolução da doença,e se dá após 3,4 dias após instalação da doença.Isso pode levar a uma confusão no tratamento e acompanhamento da influenza A.
Há portanto a necessidade do Ministério da Saúde ainda definir o que é caso grave,e informar tanto para os profissionais de saúde quanto para a população em geral.Possivelmente isso se dará em torno dos grupos de maior risco, que são obesos, obesos mórbidos,gestantes, portadores de doenças crônicas como diabetes, hipotiroidismo, doenças respiratórias crônicas como asma e Dpoc, idosos e pacientes imunossuprimidos ou em tratamento com terapia imunossupressiva.
A OMS chama a atenção para as medidas de higiene devem ser relembradas, como lavar as mãos,cobrir a boca ao tossir, evitar colocar os dedos nos olhos,evitar aglomeração de pessoas.
Defendemos se possível realizar a vacina contra a gripe influenza sazonal para que se evite confusões diagnósticas e se estabeleça algum nível de proteção,já que nada impede de ser contagiado por mais de um sorotipo viral na vigência desta pandemia.
Informações oficiais adicionais:
• Segundo informações da OMS ou de sites oficiais dos países afetados, o México, os EUA, o
Canadá, Chile, Argentina(com mortalidade de 2,4%), Austrália e Reino Unido apresentam transmissão sustentada.
• A maioria dos casos confirmados nos países com descrição de sintomas apresenta quadro clínico
leve com resposta favorável ao tratamento específico, quando indicado, ou às medidas de suporte
clínico. Existe uma maior freqüência de casos mais graves entre pessoas com doenças crônicas
preexistentes.
Fontes:Pulmão SA.
OMS.
Ministério da Saúde.

%d blogueiros gostam disto: