Archive

Archive for setembro \28\UTC 2009

Tabagismo não é um hábito.É uma dependência que deve ser encarada como uma doença Cerebral! -Smoking is not a habit. Must be faced as a Brain Disease

28 de setembro de 2009 Comentários desligados

Tabagismo é uma doença Cerebral

O tabagismo foi encarado no passado como hábito de várias gerações no passado e algumas pessoas ainda não perceberam o quão grave pode ser esta doença.Como assim? O tabagismo é uma doeça? Exatamente! O tabagismo não é só responsável por várias doenças, responde por 52 diferentes Códigos Internacionais de Doenças(CIDs),mas ele por si  mesmo é uma doença e tem seu próprio CID(F17.2).O conceito mais atual vai um pouco além: o Tabagismo é considerado pela medicina uma dependência.

Justamente pelo fato de provocar várias dependências(física, psicológica e quimica) é que pode-se compreender como é difícil uma pessoa parar de fumar.O grande problema é que o tabagista ou o iniciante no uso de derivados de tabaco considera ainda que terá facilidade ao manusear o ato de fumar.Que poderá abandonar o consumo de um produto que tem mais de 4.ooo substâncias tóxicas e que contém uma única substância capaz de provocar as dependências: Esta substância é o maior aliado da indústria tabagista e responde pelo nome de NICOTINA.

A PULMÃO S.A. trabalha duro para que haja uma “denormalização” no conceito de fumar através de seus programas voltados para as Escolas, Empresas e através de alertas para o Estado,nas suas três esferas de governo,na proposição de leis ou medidas que irão banir o cigarro ou o tabaco e seus derivados da vida e da saúde das pessoas no Brasil e no mundo.

O Dr. Marcos Nascimento, editor e consultor da PULMÃO S.A alerta para o conceito internacional de que “Até bem pouco tempo encarávamos o tabagismo como uma doença eminentemente pulmonar, cardíaca ou oncológica.Entrementes, o tabagismo é classificado hoje em dia pela Organização Mundia de Saúde(OMS), como uma doença cerebral.” O cérebro do fumante é modificado.Uma vez que os receptores de nicotina cerebrais são ativados, ocorre uma cascata de reações químicas que provocam em última análise uma modificação no funcionamento cerebral,complementa o Dr. Nascimento.

Esta modificação no cérebro  é responsável por criar uma relação de prazer ocasionada pela nicotina.A partir do momento em que se cria um ciclo de prazer com a nicotina,a relação de dependência da mesma estará criada para sempre.Vira literalmente um ato fisiológico, uma necessidade biológica,como comer, beber água, respirar.Isto posto, o cérebro está literalmente capturado, escravizado,pois não tem condições de funcionar mais sem a presença constante de nicotina em seus receptores.O indivíduo por esta razão é encarado como um dependente químico, e isto é doença, é patológico.

SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA:

Apenas ao compreendermos esta correlação de dependências química, física e psicológica podemos entender a dificuldade que é parar de fumar.Mas não é motivo para desanimar ou para se desesperar.Hoje há tratamentos ,os mais diversos para ajudar o fumante a parar de fumar com segurança e devolver a sua liberdade de volta.O tabagismo necessita ser tratado por profissional médico habilitado.E quando isto é feito, diminui-se  potencialmenteas chances de recaídas,leia-se falha de tratamento, na tentativa de parar de fumar.

Há hoje em dia medicamentos extremamente eficazes,como a Terapia de Reposição de Nicotna(TRN), a Bupropiona e a Vareniclina que são capazes de minorar aqueles sintomas desagradáveis da sídrome de abstinência.

Estes sintomas são aqueles que começam a ocorrer logo após parar de fumar,de fato algumas poucas horas após, e são delineados abaixo:

Perda da Concentração: Diminui a concentração para as atividades usuais do dia a dia e também para as de maior complexidade;Não consegue trabalhar direito,diminui seus reflexos motores, e  pode tornar-se lábil para o choro, ou seja, este ocorre muito facilmente.

Irritabilidade: a pessoa fica muito irritada, nervosa, perde com facilidade a paciência; e

Fissura: é aquela vontade “enorrrme” de voltar a fumar;

Veja abaixo um vídeo sobre a dependência fisiológica imposta ao cerebro pela nicotina:

OTMIZAÇÃO DO TRATAMENTO:

É preciso que os profissionais de saúde compeendam que há portanto, a necessidade premente, de se preparar o doente para que ele possa ter êxito no tratamento, de não só parar de fumar mas até mesmo na possibilidade de diminuir ou abolir a possibilidade de apresentar recaídas, e voltar a fumar.

Todos os medicamentos de primeira linha dispostos acima são capazes de promover minora ou diminuição nos sintomas desagradáveis da síndrome de abstinência.Mas trabalhos  publicados como o de Jorenby DE et al*, na revista médica New England Journal of Medicine demontram que a eficácia pode estar no tratamento individualizado, numa abordagem feita exclusivamente para cada tabagista, e isso impacta diretamente na abordagem terapêutica e como consequência, aumenta a taxa de abstinência.

Trabalhos ainda mais atuais inclinam-se a demontrar que a taxa de abstinência pode estar ligada diretamente a prevenção da recaída.Gonzales DH et al**, chama a atenção para isto e leva a crer que drogas como a Vareniclina podem apresentar um plus,pois além de diminuir os sintomas de abstinência, diminui a chance de recaída,pois parece que vai aos poucos reeducando os receptores da nicotina para que se desacostumem com a nicotina.Segundo o Dr. Marcos Nascimento,”Em que se pese a necessidade de mais trabalhos à respeito,isto cria de fato uma nova chance e otimiza a abordagem terapêutica,contribuindo para a abstinência eficaz, e que pode ser resumido em uma única palávra: SUCESSO !

FONTES:

PULMÃO S.A.-Sua Atmosfera, Sua Vida!

American Toracic Society Guidelines;

*Jorenby DE et al. N Engl J Med. 1999;340:685–691. 2. Talwar A et al. Med Clin North Am. 2004;88:1517–1534

** Gonzales DH, et al. Society for Research Nicotine and Tobacco Paper sessions PA9-2, 2006

ENGLISH

Tobacco is not a habit. It is a Disease and must be faced as a Cerebral Disease:

Smoking was seen as a habit by several generations in the past and some people still do not realize how serious this can be faced. What does it means?

Smoking is a disease? Exactly! Smoking is not only responsible for many diseases, accounting for 52 different International Codes of Diseases (ICDs), but it itself is a disease and has its own ICD: (F17.2). The latest concept goes a bit further: Smoking is considered by medical concept as a dependency.

Just because it causes many dependencies (physical, psychological and chemical),and now you can understand how hard is quitting.The big problem is that the smoker or the beginner in the use of tobacco also believes that it will ease to handle the act of quitting. The patient thinks that is possible to quit a product that has more than 4.ooo toxic substances and that contains a substance capable of causing addiction : This substance is the greatest ally of the tobacco industry and accounts for the name NICOTINE.

The PULMÃO S.A. works hard for a “denormalization”(That smoking be faced as something unusual) of the concept of smoking through its programs direction to Schools,S.A.(Companies) and through alerts to the State in its three spheres of government( Federal,State, and county) in proposing laws or measures which will ban cigarettes or tobacco products of citizen’s life and health of people in Brazil and in the whole world.

Dr. Marcos Nascimento,Md.-Attendence in Tobacco Tratment, and main editor and consultant of PULMÃO S.A. warns about an  international concept that “Until recently we predominantly  saw the smoking as a disease under pulmonary, cardiac or oncologic aspects .However, smoking is now classified by the World Health Organization (WHO) as a brain disease. “The brain of the smoker is changed,as the nicotine receptors in the brain are activated. By this, there is a cascade of chemical reactions that ultimately cause a change in brain function, said Dr. Nascimento.

This change in the brain is responsible for creating a relationship of pleasure caused by nicotine. From this time on, it creates a cycle of pleasure with nicotine, the interdependence of the same will be created forever. Literally, the brain sees it as a natural act, a biological necessity, like eating, drinking, and breathing.

The brain is literally captured, enslaved; it is unable to work without the constant presence of nicotine in their individual receptors. For this reason, the person is seen as an addict, and this is a disease, this is pathological!

Withdrawal Syndrome:

Only by understanding the correlation of chemical dependency, physical and psychological can understand how difficult it is to quit. But there is no reason to discourage or to desperate yourselves. Today there is a wide variety of treatments to help smokers stop smoking safely and have their freedom returned back .The smoking needs to be treated by medical professional. And when this is done, the chances of relapse are almost decreased at all.

There are now very effective medications, such as Nicotine Replacement Therapy (NRT), bupropion(Zyban®) and varenicline(Chantix®) are able to reduce those unpleasant symptoms of withdrawal syndrome.

These symptoms are those that begin to occur soon after quitting, in fact a few hours after, and are outlined below:

Loss of concentration: the concentration decreases to the usual activities of everyday life and also for more complex ones; The ex- smoker could not work right, lowers your motor reflexes, and can become labile to cry, that is, this could happen very easily.

Irritability: the person gets very angry, nervous, very easy to lose patience, and

Cleft: the “Greatest desire “to go back to smoking;

Below is a video about the physiological dependence imposed on the brain by nicotine:

TREATMENT UPGRADE:

We need health professionals understand that there is a real necessity to prepare the patient so he can have success in the treatment of not only quit smoking but even the possibility of success in reducing or eliminating the possibility of presenting relapses and goes back to smoking.

All first-line drugs mentioned above are capable of promoting a decrease in the unpleasant symptoms of the Withdrawal syndrome. But  published articles such as one of Jorenby DE et al (*), in the medical journal “ The New England Journal of Medicine” showed that the effectiveness  may be an individualized measure in the treatment, an approach made exclusively for each smoker and that directly impacts the therapeutic approach ,and as a consequence, increases the rate of abstinence.

In a more current paper we see the concept about  the rate of abstinence may be linked directly to the prevention of  relapses.

Gonzales DH et al(**) draws attention to this and suggests that drugs like varenicline may present  a plus,when it was compared with the others, because besides reducing withdrawal symptoms, it showed a decrease in the chance of relapse, it seems it acts as slowly re-educating the nicotine receptors to be not familiarized with nicotine.

According Dr. Marcos Nascimento,Md., “This effectively creates a new chance and optimizes therapeutic approach, contributing to the effective withdrawal, which can be summarized in three words: Chance of success! ”

SOURCES:

PULMAO SA.®- All rights reserved.

American Thoracic Society- Guidelines;

(*) Jorenby DE et al. N Engl J Med 1999, 340:685-691. 2. Talwar A et al. Med Clin North Am 2004, 88:1517-1534

(**) Gonzales DH, et al. Society for Nicotine and Tobacco Research Paper sessions PA9-2, 2006



Portugal Registra sua primeira morte por gripe A(H1N1)

26 de setembro de 2009 Comentários desligados

O primeiro caso de óbito em Portugal foi registrado no Porto, um homem de 41 anos pertencente a grupo de risco por ser portador de doença respiratória crônica e de ser transplantado renal. O paciente evoluiu com uma pneumonia secundária a síndrome gripal.

A PULMÃO S.A. alerta para o fato de que o pico da epidemia no hemisfério Norte se dará possivelmente entre 15 e 30 de outubro e que medidas de prevenção estão sendo adotadas por todo continente Europeu.Por determinação do CDC de Atlanta-USA, pacientes do grupo de risco deeriam estar vacinados para gripe comum(sazonal) e com a antipneumocócica.

BRASIL

Apesar de estarmos com o número de casos de H1N1 no Brasil em queda, ainda há ocorrência de casos no Brasil.O Estado de Goiás por exemplo comunicou em seu Boletim Epidemiológico de 25/09 que até o dia 22/09/09 foram notificados a Vigilância Epidemiológica Estadual 528 casos de Influenza A (H1N1). Destes, 139 (26,33%) foram confirmados laboratorialmente e estão distribuídos em 26 municípios goianos, 5 municípios de outros estados brasileiros e outro país, 169 (30,00%) casos foram descartados e 220 (41,67%) casos suspeitos ainda estão em investigação pela Vigilância Epidemiológica.Do total de casos confirmados, 81 (58,27%) foram hospitalizados.

Trinta e três óbitos foram confirmados até hoje. Os municípios com maior número de registros foram Goiânia com 10 óbitos, Aparecida de Goiânia com 07, Sanclerlândia e Anápolis com 02 cada uma, os demais municípios registraram 01 óbito cada, perfazendo um total de 16 municípios com óbito confirmados.

Ao avaliar os casos por semana de ocorrência, observa-se que o pico da doença ocorreu na semana epidemiológica 34 e dos óbitos na semana 35.

A faixa etária predominante dos casos confirmados foi a de 20-29 anos de idade, com 33,96% do total seguida da faixa etária de 10-19 anos com 26,41%, enquanto dos óbitos foi de 30-39 anos o que representa um percentual de 36,36% do total dos óbitos.

Há uma predominância dos casos no sexo feminino (56,60%), enquanto dos óbitos no sexo masculino (54,55%). Dentre os 75 casos do sexo feminino 15 (20,00%) são gestantes com registro de 01 óbito confirmado.

Leia Mais:

Japão distribuirá 60 milhões de doses da vacina da gripe A(H1N1).

Gripe A/ H1N1 no Paraná

Estados Unidos:Primeira Vacina Disponível contra H1N1 será em Spray


OMS recomenda que a vacina da”gripe sazonal”de 2010 contenha o H1N1

24 de setembro de 2009 Comentários desligados

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou que a vacina contra a gripe sazonal para uso no hemisfério sul, em 2010 contenha o novo  vírus pandêmico H1N1 em vez de uma cepa sazonal H1N1, sinalizando que a estirpe pandêmica substitua definitivamente o vírus sazonal análogo.

A PULMÃO S.A. lembra que as vacinas para gripe contem três sorotipos virais de influenza, sendo 2 influenza tipo A e 1 influenza do tipo B,justamete os capazes de provocar pandemias.E que as escolhas para definição das cepas que serão incluídas para o outono e inverno do ano seguinte costuma ocorrer em setembro/outubro.Esta definição precisa ocorrer agora pois leva meses para que ocorra o desenvolvimento viral, em milhões de ovos necessários para o processo industrial da produção da vacina, adverte o consultor médico da PULMÃO S.A o Dr. Marcos Nascimento.

O vírus pandêmico H1N1 foi a cepa predominante na maior parte do mundo dos casos registrados de gripe até Julho deste ano,admite o relatório da OMS. No Brasil os dados disponíveis até este momento, sugerem que a estirpe pandêmica do novo vírus A (H1N1)  se tornou também predominante.
A cepa pandêmica do vírus H1N1 continua a ser suscetível aos antivirais oseltamivir(Tamiflu®) e Zanamivir(Relenza®), embora alguns casos isolados de resistência tenham sido identificados em pessoas que foram tratadas com o oseltamivir,mas que eram responsivos ao zanamivir.

As três estirpes recomendadas pela OMS para a vacina de 2009 foram:

* Um vírus A H1N1/California/7/2009-like
* Para H3N2, um vírus A/Perth/16/2009-like
* Para B, um vírus B/Brisbane/60/2008-like

Numa nota separada sobre a gripe aviária H5N1, a OMS diz que 37 casos humanos, com cinco mortes, foram confirmados de 1 de fevereiro até  21 de setembro na China, Egito e Vietnã. Um total de 440 casos e 262 mortes foram confirmadas em 15 países desde 2003.

FONTES:

PULMÃO S.A.- Sua Atmosfera, sua Vida!

OMS

ENGLISH VERSION:

WHO picks novel H1N1 for 2010 southern hemisphere flu vaccine

(PULMÃO S.A. News) – The World Health Organization (WHO) has recommended that seasonal influenza vaccines for use in the southern hemisphere next year contain the pandemic H1N1 virus instead of a current seasonal H1N1 strain, signaling that the pandemic strain is expected to push the older H1N1 strains aside.

The WHO also picked a new strain of influenza A/H3N2 for the 2010 Southern Hemisphere vaccine, while keeping the influenza B strain the same. The recommendation means that manufacturers will likely be changing two of the three strains used in the vaccine.

The WHO annually recommends one H1N1, one H3N2, and one B strain for use in seasonal flu vaccines, trying to match the current circulating strains. Because it takes months to grow millions of doses in eggs, the agency makes its choices for the southern hemisphere in September and those for the northern hemisphere in February.

The pandemic H1N1 was the predominant flu strain in much of the world by July of this year, the WHO’s technical report on the strain recommendations notes. In a separate question-and-answer statement, the agency added, “The available data suggest that the pandemic influenza A (H1N1) viruses are becoming much more common than the current seasonal influenza A (H1N1) viruses.

“Although it is impossible to know whether the seasonal influenza A (H1N1) viruses will be completely replaced by the pandemic influenza A (H1N1) virus, the group of experts convened by WHO for this consultation consider it likely that seasonal influenza A (H1N1) will not pose a major public health risk in 2010 in the southern hemisphere.”

The waning seasonal H1N1 strain had become widely resistant to oseltamivir (Tamiflu), the report notes. The pandemic H1N1 virus remains generally susceptible to the antiviral, though a few cases of resistance have been identified in people who were treated with it.

The three recommended flu strains are normally combined in one vaccine, but the WHO said today it was not ready to decide whether the three newly recommended strains should be combined or if separate seasonal and pandemic vaccines should be used next year in the southern hemisphere. The target groups for the seasonal and pandemic strains differ somewhat, particularly regarding older people, who seem to have some protection against the pandemic strain.

“WHO will be in a position to provide guidance on this issue after the Strategic Advisory Group of Experts (SAGE) meets in late October and deliberates on this issue,” the agency said.

The three strains recommended by the WHO today are:

  • An H1N1 A virus/California/7/2009-like virus;
  • For H3N2, an A/Perth/16/2009-like virus;
  • For B, a B/Brisbane/60/2008-like virus.

Tabagismo Passivo? Não Obrigado®- Secondhand Smoke? No, Thanks®.

22 de setembro de 2009 Comentários desligados

Tabagismo Passivo? Não Obrigado®

Estudo realizado em 13 cidades que baniram o tabaco de ambientes públicos confirma que a restrição é um excelente instrumento na promoção da saúde pública.Neste estudo publicado na revista “Circulation” há a confirmação de que ao se promover proteção para o tabagista passivo, há proteção dupla: para quem não fuma e para os fumantes também.O Estudo evidencia a redução de eventos cardiovasculares como infarto agudo do miocárdio em cerca de  17 % no momento imediato a restrição pública ao fumo no primeiro ano da implantação da medida e chega a promover queda nestes eventos de 36% no terceiro ano da lei antifumo destas  cidades da Europa, Canadá e Estados Unidos.

Nos Estados Unidos o fumo passivo é responsável por 46.000 mortes apenas de infarto agudo do miocárdio. O Tabagismo é responsável pela ocorrência de mais de 50 doenças,como vários tipos de câncer, enfisema pulmonar e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica( DPOC).

Por Estes motivos o Editor chefe da PULMÃO S.A. Dr. Marcos Nascimento, Md. defende o slogan:                                  Fumo Passivo?  Não Obrigado®!

ENGLISH VERSION:

ENGLISH

SECONDHAND SMOKING? NO, THANKS®!

According to the U.S. Centers for Disease Control and Prevention, long-term exposure to secondhand smoke can raise heart disease rates in adult nonsmokers by 25 percent to 30 percent.

Secondhand smoke kills an estimated 46,000 Americans every year from heart disease alone, the CDC and Heart Association say. Smoking also causes several types of cancer, stroke and emphysema or chronic obstructive pulmonary disease.

A Study published this Monday (09/22), in Medical Journal Circulation pooves that Smoking bans in public places can reduce the number of heart attacks by as much as 36 percent, offering fresh proof that the restrictions work, said U.S. researchers.They urged widespread bans on smoking in enclosed public places to prevent heart attacks and improve public health.

For this causes. the PULMÃO S.A. Chief Editor Dr. Marcos Nascimento,Md.  advocates the slogan “SECONDHAND SMOKING? NO, THANKS!®

Estados Unidos:Primeira Vacina Disponível contra H1N1 será em Spray

19 de setembro de 2009 Comentários desligados

As primeiras doses da vacina contra a Gripe Suína/H1N1 nos Estados Unidos serão a versão spray nasal,comunicou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças(CDC).
A vacina estará disponível no início de outubro,inicialmente fora estabelecida uma estimativa de 3,4 milhões de doses.
A vacina por inalação nasal foi aprovada apenas para pessoas saudáveis com idade entre 2 e 49 anos. A FluMist®, não será recomendada para  pessoas que integrem o grupo de risco para a nova gripe.Isso inclui as mulheres grávidas, crianças menores de 2, e as pessoas com asma e outras doenças respiratórias, cardíacas e renais crônicas.

Vacinas contra o Influenza sazonal,gripe comum, são produzidas com vírus influenza do tipo A e do tipo B(capazes de causar pandemias), mortos e fracionados, enquanto a FluMist®  foi produzida com  a partir de vírus vivo, mas atenuado. A vacina de spray nasal só foi  aprovada nos Estados Unidos, e está sendo produzida pelo Laboratório  MedImmune, uma filial da AstraZeneca PLC. Quatro outras empresas foram licenciadas pelo órgão regulador( FDA),  para produzir  vacinas contra a gripe H1N1 nos Estados Unidos conforme informado esta semana pela PULMÃO S.A.

Fontes:

PULMÃO S.A.- Sua Atmosfera, Sua Vida!

CDC- Center for Diseases Control- USA

ENGLISH VERSION:

The first doses of swine flu vaccine may all be the nasal-spray version, CDC officials said last Friday (09/18). The  nasal-spray vaccine was approved only for healthy people ages 2 to 49.Thus, the nasal spray vaccine, called FluMist®, is not recommended for some of the people most in danger of severe swine flu complications. That includes pregnant women, children younger than 2, and people with asthma and other chronic respiratory diseases.

Sasonal Influenza shots are made of killed influenza virus, while FluMist® is a live but weakened strain, what explains why it was restricted just healthy people. The nasal spray is only approved in the United States, and is made by  Laboratory  MedImmune®, an AstraZeneca PLC subsidiary. Four other companies are making flu shots for the United States as informed this week in a Portuguese Article by PULMÃO S.A.

Sources:

PULMÃO S.A. – Your Atmosfere, Your Life!®

CDC-USA

Gripe A/ H1N1 no Paraná

18 de setembro de 2009 Comentários desligados

A Secretaria da Saúde do Estado do Paraná divulgou nesta quinta-feira (17) o boletim epidemiológico nº 60. O Paraná tem 10.188 casos confirmados da nova gripe, sendo que 236 tiveram complicações e foram a óbito. Outros 3.044 casos foram negativos. As mortes ocorreram entre os dias 14 de julho e 14 de setembro e estão distribuídas por sexo e faixa etária: 57% eram mulheres e 43%, homens. Quanto à faixa etária, 61,9,% das mortes ocorreram em pessoas que tinham entre 20 e 49 anos, 20,3% entre 50 e 59 anos e 8,9% entre 5 e 19 anos. As regiões com maior número de casos confirmados são Curitiba e região (3.944), Cascavel (1.098), Cornélio Procópio (779), Francisco Beltrão (755) e Pato Branco (483). Já as regiões com maior número de óbitos são Curitiba e região (78), Cascavel (20), Foz do Iguaçu (18), Maringá (17) e Toledo (12).

FDA aprova vacina contra H1N1 de quatro laboratórios

16 de setembro de 2009 Comentários desligados

A agencia americana que controla o licenciamento de medicamentos e alimentos,denominado Food and Drugs Administration- FDA  aprovou hoje(15/09), vacinas para a pandemia da gripe H1N1,de quatro laboratórios e irá iniciar uma Campanha Nacional nos Estados Unidos das vacinas em outubro.

Os vários testes para a aprovação das vacinas revelaram que tal qual a vacina antiinfluenza sazonal, apenas uma dose será necessária para uma resposta imunogênica satisfatória (resposta do sistema de defesa), e esta ocorrerá após o décimo dia da tomada da vacina.

As vacinas aprovadas são dos laboratórios Sanofi Pasteur, Norvartis, CSL Limited(injetáveis) e a vacina de spray nasal da  MedImmune. As vacinas da Novartis, Sanofi e MedImmune foram aprovadas para adultos e crianças, enquanto a vacina da CSL é indicada apenas para adultos.

O Instituto Nacional de Saúde, do Inglês National Institutes of Health (NIH), divulgou os resultados na semana passada em seu julgamento de 2.800 pessoas saudáveis. Os pesquisadores do NIH revelaram que entre as vacinas, a produzida pelo laboratório Sanofi Pasteur produziu uma reação imunológica forte e eficaz em 96% dos adultos entre 18 e 64, e a vacinas CSL produziu uma resposta imune eficaz em 80% dos adultos com idades entre 18 a 64. Nenhum evento adversos foi observado,segundo o relatório do NIH.
Ensaios publicados no Jornal de Clínica Médica New England Journal of Medicine e comentado pela PULMÃO S.A. na semana passada, sobre as vacinas  da CSL e do laboratório Norvartis que resultaram em respostas imunes seguras e se mostraram seguras.

As vacinas serão ministradas para adultos entre 18 e 64 anos,para os quais foram dirigidos os testes imunológicos.Só recentemente o NIH começou os testes em gestantes .Portanto, o julgamento das avaliações relacionadas a este público só estarão disponíveis a partir da próxima semana.

A PULMÃO S.A. chama a atenção para o pico da epidemia de H1N1 no hemisfério norte, que se dará provavelmente entre o dia 15 e 30 de outubro, sendo de bom alvitre, se possível, que evite viagens neste período.

FONTES:

PULMÃO S.A.- Sua Atmosfera, Sua Vida!

FDA- Food abd Drugs Administration;

NIH- National Institutes of Health- USA.

%d blogueiros gostam disto: