Arquivo

Archive for janeiro \09\UTC 2010

De Volta para o Futuro: Seus Avós tomaram vacina da gripe em 1958? – Back to the Future:Have your grandparents took the flu vaccine in 1958?

9 de janeiro de 2010 Comentários desligados

Vacinação em 1957 - 1957 Flu Shot Line

Em 1957 houve uma epidemia de gripe causada por vírus influenza H2N2,onde alguns fatos similares à atual pandemia de gripe suína H1N1  ocorreram.

Inspirado em artigo livre publicado na internet  por D. A. Henderson e colegas a PULMÃO S.A. alerta e chama a atenção da população do hemisfério Norte que está na interface do outono para o inverno, e algumas pessoas estão com a sensação de que a atual pandemia de H1N1 ou a sua pior fase já passou, e estão deixando de tomar os cuidados preventivos como lavar as mãos ou na impossibilidade usar álcool gel para sanitizá-las; fazer uso das medidas de etiqueta da tosse ou mesmo não estão se vacinando contra o H1N1…

Portanto, numa alusão ao filme “de volta para o futuro” fazemos a pergunta:

seu avô se vacinou contra a gripe em 1957/58?

E você em 2009/10 vacinou-se contra o H1N1?

Em 1957/58 exatamente na passagem do outono para o inverno,houve uma percepção que estava tudo sobe controle, e apesar de haver disponibilidade de vacina à ocasião, com a percepção aliada possivelmente ao medo, uma parte considerável da população à época não se vacinou e houve um aumento na taxa de mortalidade em fevereiro, numa espécie de segundo pico pandêmico.

Temendo a repetição de fatos alertamos para que não se baixe a guarda.Havendo disponibilidade, vacine-se contra o H1N1, afinal a vacina constitui a melhor forma de proteção para você e a sua família contra a gripe suína e o vírus influenza H1N1 que está circulando.Nos Estados Unidos por exemplo a rede de farmácias Wallgreens possui disponibilidade inclusive para turistas.

Até o dia 22 de dezembro de 2009 cerca de 60 milhões de americanos já haviam tomado a vacina.Mas os estoques estão altos e há distribuição por todo o país.

A semana do dia 10 ao dia 16 de Janeiro será declarada  pelos Estados Unidos, a semana Nacional de vacinação contra o influenza.O Presidente Barak Obama inclusive declarou que incentiva todos americanos a vacinarem-se contra o H1N1.

Voltando ao presente, repetiremos a pergunta:

E você em 2009/10 vacinou-se contra o H1N1?

Fontes:

PULMÃO S.A. Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

Public Health and Medical Responses to the 1957-58 Influenza Pandemic : http://www.liebertonline.com/doi/pdfplus/10.1089/bsp.2009.0729?cookieSet=1

ENGLISH VERSION


Back to the Future:Have your grandparents took the flu vaccine in 1958?

In 1957 there was an epidemic of influenza caused by H2N2 influenza virus, where some facts similar to the current pandemic of swine influenza H1N1 have occurred.
Inspired by free article published on the Internet by D. A. Henderson and colleagues the PULMAOSA Warning a and call the attention of the population of the Northern Hemisphere that is on the interface of fall to winter, and some people are under the impression that the current pandemic of H1N1 or its worst has passed, and are failing to take preventive care such as hand washing or inability to use alcohol gel to sanitize them, make use of measures of cough’s etiquette or even if they are not vaccinating against the H1N1 …
Therefore, in an allusion to the movie “back to the future” we ask the question:

Have your grandfathers been vaccinated against influenza in 1957/58?
And you in 2009/10 vaccinated against the H1N1?
In 1957/58 that during the following autumn to winter, there was a perception that everything was up control, and despite the availability of vaccine to the occasion with the perception possibly allied to fear, a part of the population at the time was not vaccinated and there was an increase in mortality rate in February, a kind of second peak of that flu pandemic.
Fearing a repetition of facts we point out that not diminish efforts to guard you and your family.

If there is vaccine availability, vaccinated against the H1N1, because the vaccine is the best protection for you and your family against the swine flu and do it also because the swine influenza virus H1N1 is still circulating.

In the United States for example the network of pharmacies Wallgreens has H1N1 shot available even for tourists.
On December 22, 2009 about 60 million americans had taken the vaccine. However stocks are high and there are distribution throughout the country.

The week of 10th to 16th January will be declared National  week of influenza vaccination.The US. President Barak Obama even stated that encourages all Americans to be vaccinated against H1N1.
Returning to the present, we repeat the question:
And you in 2009/10 vaccinated against the H1N1?

Sources:
PULMAO S. A. Lungs, Your Atmosphere, Your Life! ®

CDC-USA
Public Health and Medical Responses to the 1957-58 Influenza Pandemic: http://www.liebertonline.com/doi/pdfplus/10.1089/bsp.2009.0729?cookieSet=1

Anúncios

Jornal Estado de São Paulo publica entrevista com Editor da PULMÃO S.A.

9 de janeiro de 2010 Comentários desligados


O jornal Estado de São Paulo publicou entrevista a respeito da PULMÃO S.A. e seus programas educativos voltados para o setor 3E: Estado,Escola, e Empresas. A entrevista foi fornecida pelo nosso Editor chefe, Dr. Marcos Nascimento devido a possibilidade em transformar a história infantil de sua autoria intitulada “Zoo Lógico?” em desenho animado. “Zoo Lógico?” é destinada ao público infantil com o objetivo de educar a respeito dos perigos do cigarro.Fala a respeito da perpectiva dos animais sobre o  ato tabágico.De uma maneira didática e divertida as crianças aprendem que o tabaco e seus derivados são prejudiciais a saúde e passam a contribuir para chamar  a atenção dos seus pais e familiares para o assunto, proporcionando inclusive uma reflexão para que os adultos tabagistas parem de fumar.A entrevista foi republicada pela Agencia Estado e foi reproduzida por vários meios de comunicação por todo o país.

A entrevista segue na íntegra abaixo:

Médico do PR cria projeto para livrar crianças do fumo

AE – Agencia Estado

SÃO PAULO –  O pneumologista e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Marcos Nascimento está acostumado a atender pacientes adultos com problemas de tabagismo. Há algum tempo, no entanto, chamou-lhe a atenção uma criança de no máximo 12 anos fumando em frente a um colégio de Curitiba.

“Adultos que fumam vêm ao consultório, mas não sou pediatra e não via crianças”, disse. O médico decidiu, então, encontrar uma forma de atingir essa clientela. Acostumado a criar personagens para as histórias que conta e escreve para as filhas, adaptou-os ao tema, montou uma página na internet (www.pulmaosa.com.br) e elaborou projetos educacionais.

A proposta ainda está engatinhando, mas já há escolas estudando a possibilidade de adotar a ideia. O projeto e uma de suas histórias estão entre os três concorrentes ao The Chest Foundation Humanitarian Awards, prêmio promovido pelo American College of Chest Physitians, sociedade médica presente em aproximadamente 100 países.

Nascimento espera ganhar e investir o prêmio em um desenho animado, que vem negociando com estúdios estrangeiros. O projeto, chamado de Pulmão S.A. Sua Atmosfera: Sua vida, tem o objetivo de fornecer informações e atingir o governo, as empresas e as escolas, para fortalecer a rede de proteção às crianças. “As escolas são a menina dos olhos”, disse ele. A história “Zoo Lógico?” abre uma série de contos que mostram os perigos do tabaco para as crianças, tentando evitar que elas iniciem a dependência de cigarros. Os protagonistas são animais de um zoológico que se assustam ao ver uma pessoa fumando e resolvem tornar o local uma área livre do cigarro.

Pela repercussão que suas histórias tiveram entre as crianças da família, o professor acredita que a linguagem seja adequada à prevenção infantil. Segundo ele, aquela adotada em campanhas oficiais é muito voltada para o fumante adulto. No site, as histórias e principais informações sobre o tabaco são traduzidas para inglês, espanhol e chinês. A proposta pedagógica apresentada pelo programa tem o objetivo de reforçar os benefícios de não se fumar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também:

Zoo Lógico?

English version: Zoo Logic?

Version en Français: Zoo Logique?


Pneumococo aumenta risco de doenças graves em pacientes com H1N1 -Pneumococcal increases risk of serious disease in patients with H1N1

4 de janeiro de 2010 Comentários desligados

PULMAOSA NEWS-Pacientes com gripe H1N1, que também tiveram pneumonia  apresentaram 125 vezes mais probabilidade de desenvolver doença fatal, segundo trabalho publicado em conjunto por pesquisadores argentinos e americanos no  jornal  Public Library of Science ONE.

Vírus da Gripe - Flu Virus

A PULMÃO S.A. em diversos artigos alertou a população sobre a possibilidade de associação com o pneumococcus, e aconselhou a cobertura vacinal com a vacina anti pneumocócica Pneumo-23.

A associação entre a doença grave e co-infecção com Streptococcus pneumoniae foi tão forte, especialmente entre aqueles que não estão em grupos de alto risco, que os pesquisadores fazem testes  diagnósticos  em pacientes com gripe para identificar a presença da bactéria em conjunto com a síndrome gripal.

A possibilidade de que  co-infecções bacterianas possam aumentar a morbidade e mortalidade da gripe tem sido uma preocupação desde o início da pandemia de H1N1, impulsionada por resultados de pandemias anteriores de pneumonias bacterianas entre os casos de óbito. O CDC, Centro de controle e Prevenção de Doenças americano, anunciou em setembro e também em novembro, que as infecções bacterianas estavam  tendo um papel importante em casos de gripe graves e fatais, especialmente entre os jovens adultos.
Análise deste trabalho realizado por pesquisadores da Escola Mailman de Saúde na Universidade de Columbia, em Nova York e do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas em Buenos Aires, baseia-se  em coleta de swab (amostra de material) da nasofaringe realizada em 199 pacientes com H1N1, que adoeceram no final de junho e início de julho, quando o primeira onda de pandemia atingiu a Argentina.

O estudo foi solicitado pelo reconhecimento de que a taxa de mortalidade da Argentina, ao mesmo tempo foi de 4,5%, anormalmente elevado em comparação com um concorrente Mundial de Saúde estimam Organização de 0,6%.Lembramos que  um paralelo pode ser a feito para explicar as altas taxas de letalidade também registradas nas cidades de Curitiba no Paraná e no estado do Rio Grande do Sul no Brasil,o que levou inicialmente a quebra do protocolo defendido pelo  Ministério da Saúde,num primeiro momento pelo Hospital São Vicente de Paula em Passo Fundo-Rio Grande do Sul , que defendeu o tratamento de todos os pacientes que apresentassem síndrome  gripal com o antiviral Tamiflu.Medida apoiada pela PULMÃO S.A. e denominada por nós como Protocolo de Passo Fundo.

Fontes:

PULMÃO S.A. Sua Atmosfera, Sua Vida®

Palacios G, Hornig M, Cisterna D, et al. 2009 Streptococcus pneumoniae coinfection is correlated with the severity of H1N1 pandemic influenza. PLoS ONE 2009 Dec 31;4(12):e8540
http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0008540

ENGLISH VERSION

Pneumococcal increases risk of serious disease in patients with H1N1

PULMAOSA NEWS-Patients with influenza H1N1, which also had pneumonia had 125 times more likely to develop fatal disease, according to a study published jointly by American and Argentine researchers in the journal Public Library of Science ONE.
THE PULMAOSA has done several articles warning the population about the possibility of association with the pneumococcus, and advised the immunization coverage with pneumococcal vaccine Pneumo-23.

The association between illness and co-infection with Streptococcus pneumoniae was so strong, especially among those who are not in high-risk groups, the researchers diagnostic it by tests in patients with influenza to identify the presence of bacteria in conjunction with the syndrome flu.

The possibility that co-infections may increase morbidity and mortality of influenza has been a concern since the beginning of the pandemic of H1N1, driven by results from previous pandemics of bacterial pneumonia among the cases of death. The CDC, Center for Control and Prevention of U.S. A., announced in last September and in November, that bacterial infections were having an important role in cases of severe and fatal influenza, especially among young adults.
Analysis of work done by researchers at the Mailman School of Health at Columbia University in New York and the National Institute of Infectious Diseases in Buenos Aires, is based on the collection swab (sample of) the nasopharynx performed in 199 patients with H1N1 who became ill in late June and early July, when the first wave of a pandemic hit Argentina.
The study was prompted by the recognition that the death rate from Argentina, while it was 4.5%, large in comparison with a competitor of the World Health Organization estimate of 0.6%.  We remember that a parallel can be made to explain the high mortality rates also registered in the cities of Curitiba, in Parana and Rio Grande do Sul state in Brazil, which led initially to break the protocol advocated initially by the Ministry of Health of Brazil, at first by the Hospital São Vicente de Paula in Passo Fundo, Rio Grande do Sul, which defended the treatment of all patients who had flu-like illness with antiviral Tamiflu.The PULMAOSA do supported this protocol which was named by us as the Protocol of Passo Fundo.

Sources:
PULMAO S.A.Lungs, Your atmosphere, Your Life ®

Palacios G, Hornig M, Cisterna D, et al. 2009 Streptococcus pneumoniae coinfection is correlated with the severity of H1N1 pandemic influenza. PLoS ONE 2009 Dec 31;4(12):e8540
http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0008540

%d blogueiros gostam disto: