Início > DPOC / COPD, DR./MD., Principal > FDA aprova nova droga para DPOC: ROFLUMILAST

FDA aprova nova droga para DPOC: ROFLUMILAST

5 de março de 2011

FDA

FDA aprova nova droga para DPOC

O Food and Drug Administration (FDA)  aprovou o Roflumilast ( Daxas ®), um novo medicamento que previne e diminui a frequência de crises de exacerbações, agindo na elevação da concentração intracelular de AMP cíclico ( AMPc), ou piora dos sintomas da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que constitui a terceira causa de morte nos Estados Unidos.

A DPOC é uma abreviação que abriga 2 doenças pulmonares: o enfisema pulmonar e a bronquite crônica. A DPOC resulta da inflamação crônica das vias aéreas, provocada pela inalação de produtos tóxicos, sendo a poluição tabágica o principal fator.

Fisiopatologia:


A poluição ambiental e principalmente o tabagismo promovem uma migração de células inflamatórias (Macrófagos, Neutrófilos, Linfócitos T CD8,e células dendríticas), para o pulmão. Estas se depositam nas vias aéreas, provocando danos crônicos locais e sistêmicos. Estas células já se encontram presentes nos estágios iniciais da DPOC, e sua população vai aumentando a medida que o portador de DPOC continua fumando e portanto ocasionando a perpetuação e piora da reação inflamatória (Fig.1).

Fig 1-Cigarro provoca uma "Cascata Inflamatória" e gera a DPOC.

É esta agressão constante, provocada pela continuidade do tabagismo, que deteriora a função pulmonar e leva ao aparecimento de comorbidades como a insuficiência cardíaca, osteoporose, etc  que ocasionam a piora dos sintomas que podem variar desde a falta de ar, tosse crônica e expectoração excessiva. Uma exacerbação( agudização) da DPOC pode durar até várias semanas, resultando em piora da dispneia (falta de ar), declínio da função pulmonar, aumento do risco de morte, além de ansiedade e queda no estado geral.

Assim, a concentração de células inflamatórias é diretamente proporcional ao tempo e à evolução da DPC. Portanto, em um paciente classificado como GOLD 4 ( VEF1< 30%) é muito maior que em pacientes GOLD 1 ( VEF= 80%). [ Fig2].

Fig2-Inflamação está presente em qualquer estado de classificação do DPOC (GOLD)

A ação constante das células inflamatórias provocará os danos na arquitetura pulmonar e brônquica, resultando em bronquiolite obstrutiva, destruição dos cílios brônquicos e fibrose peri brônquica, que resulta na retenção de secreção (muco) e enfisema pulmonar ( hiperinsuflação) -( Fig.3).

Fig3- Dano estrutural: Remodelação das vias aéreas

A cascata de eventos inflamatórios é mediada secundariamente por mensageiros como o AMPc intracelular – Envolvido na “regulação fina” das células inflamatórias, na produção de muco e o remodelamento ( fibrose) das vias aéreas. O AMPc é degradado pela enzima Fosfodiesterase 4. Assim, a manutenção de altas concentrações intracelulares de AMPc na sua forma ativa, exerce uma ação reguladora de contenção e minora a reação inflamatória ( Fig 4).

Mecanismo de Ação

O Roflumilast é um potente inibidor da enzima Fosfodiesterase tipo 4 (PDE-4).  Isto ocasiona um aumento imediato na concentração de  AMPc-Ativo, reduzindo a inflamação ( Fig4).

Fig4- Roflumilast: Mecanismo de Ação

O Medicamento será indicado para pessoas com DPOC grave ( VEF1< 50%), tratando os sintomas de tosse e excesso de muco associado à bronquite crônica. Portanto, o Roflumilast não se destina a tratar  o enfisema pulmonar, a outra forma de DPOC.  O Roflumilast  nao deverá ser usado para tratar crises de agudização / exacerbação da DPOC (broncoespasmo agudo). Tampouco foi recomendado para pessoas menores de 18 anos.

A segurança e a eficácia do Roflumilast foi demonstrada em dois estudos clínicos de Fase 3, que incluiu mais de 1.500 pacientes com idades acima de 40 anos.

O FDA aprovou Roflumilast, com a ressalva de que os doentes podem apresentar riscos potenciais associados a saúde mental, incluindo alterações no humor, pensamento ou comportamento, bem como a perda de peso inexplicada.

O Roflumilast não deve ser usado para tratar crises de agudização / exacerbação da DPOC (broncoespasmo agudo), e não é recomendado para pessoas menores de 18 anos. Os efeitos colaterais mais comuns relatados por aqueles que recebem o Roflumilast incluem diarréia, náuseas, cefaléia, insônia, dor na região dorsal, hiporexia (diminuição do apetite) e tonturas.

A ANVISA (Agencia Brasileira de Vigilância Sanitária) também aprovou o Roflumilast em fevereiro próximo passado.

O Roflumilast é comercializado pela Forest Pharmaceuticals/ Nycomed- uma subsidiária da Forest Laboratories, nos Estados Unidos.

FONTES:

PULMAOSANEWS- PULMÃO S.A. Sua Atmosfera, Sua Vida!®

FDA- Food and Drugs Administration


%d blogueiros gostam disto: