Archive

Posts Tagged ‘enfisema pulmonar’

Últimas Notícias sobre DPOC: Olandeterol

7 de junho de 2012 Comentários desligados

20120607-075954 PM.jpg

Últimas Notícias sobre DPOC: Olandeterol

(PulmaoSANews) Os pacientes com DPOC contarão em breve com uma nova possibilidade para tratar esta doença que é popularmente conhecida como bronquite ou enfisema pulmonar. A Boehringer anunciou que medicamento chamado olodanterol, um ß 2-agonista de ultra longa de ação ( 24h) que permite uma maior praticidade . O medicamento mostrou um aumento significativo da função pulmonar nos portadotes da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que usaram o olandeterol através do mecanismo do inslador Respimat ( o mesmo do Spiriva).

Mas o que isso realmente significa?

Significa que portadores de DPOC contarão com uma outra opção de broncodilatadores com 24h de ação, além do indacaterol (Onbrize) para diminuir seus sintomas e melhorar a sua qualidade de vida.

Fase ll Estudo

Nesta Fase II, um estudo randomizado, duplo-cego, cruzado, está senso testado o olodaterol administrado com doses de 5 mg ou 10 mg/ 1 vez ao dia, que proporcionaram em ambas doses um aumento significativo na função pulmonar (VEF 1), ao longo de um período de 24 horas. Esta informação permitirá que o olodaterol avance para a fase III de estudos clínicos em pacientes com DPOC, a qual se obtiver êxito conduzirá à aprovação do medicamento pelo FDA ( agência reguladora Americana), em meados de 2013.

Fontes:

PULMÃO SA

De Mãe para mãe: Dicas de como parar de fumar no dia das mães

14 de maio de 2012 Comentários desligados

De Mãe para Mãe : Dicas de como parar de fumar no dia dos mães

A @PulmaoSA tem a honra de apresentar um video do CDC, editado e legendado pelo Centro de apoio ao tabagista do Rio de Janeiro ( CAT), com dicas preciosas de uma mãe ex- fumante para parar de fumar:

Fontes:

CDC – Center for Diseases Control – USA;

CAT – Centro de Apoio ao Tabagista – Rio de Janeiro

Vírus da Gripe em Ação

16 de abril de 2012 Comentários desligados

Como você pode impedir o vírus influenza (marrom) de invadir os cílios (azul) das vias aéreas do pulmão? Com a vacina da gripe!

20120416-100008 PM.jpg

Consumo de cigarros no Brasil cai para menos de 15%

10 de abril de 2012 Comentários desligados

Consumo de cigarros no Brasil cai para menos de 15%

(Rio de janeiro e Brasília) O Ministério da Saúde do Brasil divulgou nesta terça-feira (10) a pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), onde registra pela primeira vez desde que os dados passaram a ser colhidos em 2006 que o número de fumantes no país caiu de 15,1% em 2010 para 14,8% em 2011. Quando a pesquisa começou a ser feita, em 2006, a proporção de fumantes no país era de 16,2%.

A pesquisa Vigitel foi realizada com 54.144 pessoas, nas 26 capitais dos estados brasileiros e mais Brasília (distrito federal)

DADOS

  • 11,8% dos brasileiros são fumantes passivos – pessoas que não fumam, mas moram com pelo menos um fumante. Além disso, 12,2% das pessoas que não fumam convivem com algum colega fumante no trabalho
  • O número de fumantes pesados – que fumam mais de 20 cigarros por dia – também caiu e está em 4,3%.
  • A frequência de fumantes permanece maior entre homens (18,1%), em comparaçnao com as mulheres (12%). No entanto, a população masculina lidera a redução do hábito de fumar – 25% dos homens declararam ter parado de fumar.
  • 200.000 brasileiros morrem por ano por causas associadas ao tabagismo, como doenças cardiovasculares, câncer de pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica ( bronquite crônica e enfisema pulmonar).
  • Gasto público no Brasil com o tabagismo: R$ 19 milhões por ano com diagnóstico e tratamento de doenças causadas por tabagismo passivo.

Capitais
As capitais do Sul do país registraram o maior percentual de fumantes no país: Porto Alegre com 22,6%, seguida por Curitiba com20,2%. São Paulo na região sudeste é a terceira cidade do ranking com 19,3%. As capitais com menos fumantes são: Maceió (7,8%), Salvador (8,6%), Aracaju (9,4%) e João Pessoa (9,4%). No Distrito Federal o percentual é de 13,5% e no Rio de Janeiro é de 14,1%.

Segundo o Dr. Marcos Nascimento, consultor médico da @PulmaoSA, “aliado a uma prevenção maior destinada as mulheres, os jovens e as crianças, estes dados apontam para a necessidade de se implantar também políticas regionalizadas visando obter uma maior redução no consumo dos derivados de tabaco e intensificar a tendência de queda do tabagismo no Brasil.”

 Alvos Estratégicos:

  • “ Os dados apontam também para necessidade de mais incentivo para a prevenção do tabagismo via educação escolar, uma vez que quanto maior a escolaridade, menor a chance de a pessoa começar a fumar.’
  • Um outro alvo regional para o ministério da Saúde, mas também para os Ministérios da Justiça e da fazenda  e que estende seus tentáculos para o resto do país, é o cigarro contrabandeado proveniente do Paraguai, que registra um forte consumo no sul do Brasil, e onera o erário duplamente por não arrecadar impostos e provocar mais de 50 doenças tabaco relacionadas.
  • Isto poderia ser aliado a uma política de substituição da cultura do tabaco por outras comoditties como trigo/ Milho/ soja já existentes na região sul, e poderia se somar ao de frutas com alto valor agregado como amoras e mirtilo,  associando-se a criação de um diferencial com frutas e legumes por exemplo, com baixos índices de agrotóxicos que poderiam ser destinados não apenas ao mercado interno em expansão mas com o propósito também de ganhar o mercado internacional que exige altos índices de segurança alimentar, complementa o Dr. Nascimento.”

 

FONTES:

Ministério da Saúde do Brasil – 2011, Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico);

Australia: o país que se tornou um sinônimo de Saúde Pública

1 de abril de 2012 Comentários desligados

Australia: o país  que se tornou um sinônimo de Saúde Pública

Mesmo enfrentando processos movidos pela indústria tabagista em cortes internacionais, a Austrália decidiu definitivamente entrar na vanguarda em termos de saúde Pública e deve se tornar, no final de 2012, o primeiro país a retirar as logomarcas dos maços de cigarros.

Como já abordado em artigo recente pela PULMAOSA, intitulado ” O Bat sinal da Austrália,” o país vai adotar uma embalagem padronizada para os maços de cigarros, eliminando assim as cores e chamarizes para os jovens e as crianças.

Este é o papel de quem zela pela saúde pública do seu povo, afirma o editor médico da PULMAOSA, o Dr. Marcos Nascimento. “Todavia, para o sucesso desta medida, merecedora de aplausos, a Organização Mundial da Saúde e os 170 países que ratificaram a convenção Quadro para o Controle do Tabaco, como o Brasil e o Uruguai deveriam apoiar a Austrália, e não devem ficar esperando pelo resultado dos julgamentos dos processos movidos pela indústria do fumo. Não restam dúvidas, dada a grandeza e o exemplo da medida australiana,  que a OMS deveria aconselhar aos demais países a seguirem o exemplo da Australia,” complementa o Dr. Nascimento.

FONTES:

PULMAOSA NEWS

Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, OMS: Organização Mundial de Saúde.

In terms of public health and tobacco prevention: Enough is just enough!

19 de março de 2012 Comentários desligados

Enough is enough

Marcos Nascimento, MD.

In addressing the tobacco control policies that promote smoking cessation, we can separate them into two groups:

a) Public Health Approaches: are increasing attempts to stop smoking:

  • Increased taxation;
  • Regulations to restrict smoking in public places and workplaces;
  • The Campaign of mass media.

b) Approach in Healthcare: increased rates of smoking cessation:

  • Help / Treatment Smokers.

Evidently tobacco addiction is a multidimensional phenomenon. Thus a proper treatment should include dimensions beyond pharmacological while also addressing the issues of psychological and behavioral addiction. Tell that to treat smokers just put drugs in the pharmacy is a popular reductionism overwhelming.

From the perspective of public health strategies we have to be more cost-effective. If a country have little money, it naturally must to select priorities within the priorities and see which option expense is the best. Of all the strategies listed the most cost-effective policies are smoke free environments.

The countries who are enrolling in a upward trend in the prevalence of tobacco related diseases like lung cancer, cardio vascular diseases and COPD, etc, can not afford to lose the way in terms of tobacco control. Some countries like Australia, Canada, Uruguay and Brazil are giving good examples about tobacco control and Pulbic Health issues.

In order to draw the attention of managers of public and private health for the cause, I have recently published in this website an article titled “The Smoking math formula: ” Smoking = COPD + P
ie., smoking is a generator of Cardiac, Oncologic, Pulmonary Diseases + Pediatric and calls attention to COPD, a disease underdiagnosed with high personal and economic impacts which are now the 3rd death cause in US.

Thus didactical formula Indicates the need for an early & all-embracing approach to smoking because it generates 52 other diseses and produces a huge financial resources scrap, including reducing the productivity of businesses – And just like the tobacco disease, the finance costs are also preventable. Thus the necessity to  early involve children and young people in prevention education with the creation of aplications (Apps), games and cartoons, as proposed in the “children’s story Zoo Logic?”

We can justify, rationalize, and pontificate about individual freedom all we want, but in the tobacco prevention there is “the role of nicotine,” that imposes a high and uncontrolled addiction, and if we go for this process, we will stick our heads in the sand.

The reality is cruel because millions of people are suffering and dying unnecessarily every day. We have the collective means to do something about it with minimal personal sacrifice. Thus, we can keep walking and trying to solve the problem accepting the necessity of public smoke free environments.

In fact, we achieved some important gains in preventing smoking-related diseases in the latest years.  But in terms of public health: Enough can be just enough!

Mainly, because the Life is in the game!

So, Enough is enough. It’s time to step up!

With All Respect,
Marcos Nascimento,MD
Medicine Professor
http://twitter.com/PulmaoSA

Alguém já explicou porque você tem DPOC?

22 de fevereiro de 2012 Comentários desligados

Alguém já explicou porque você tem DPOC?

Apresentações classicas da DPOC: Enfisema pulmonar & bronquite crônica

Faça a seguinte experiência: Inspire o máximo que você puder, encha os pulmões de ar e prenda a respiração. Agora, Expire apenas um pouco, e logo depois prenda a respiração. A partir deste ponto ( ainda com os pulmões cheios de ar), volte a respirar, mas tendo como base este intervalo.

É exatamente deste jeito que um portador de DPOC respira com os pulmões cheios de ar, mas com uma capacidade de Expirar ( colocar o ar para fora) limitada.

Isso acontece porque a DPOC, sigla que significa Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica ( mais conhecida popularmente como enfisema pulmonar ou bronquite crônica), provoca uma inflamação nos brônquios do pulmão que obstruem a passagem do ar. Como o ar para sair do pulmão precisa ser “empurrado” por uma pressão positiva gerada pelos músculos, ele encontra dificuldade e fica aprisionado, leva a uma hiperinsuflação pulmonar, sendo um dos motivos para a falta de ar (oxigênio).

DPOC

A DPOC ainda é uma doença muito desconhecida pela maior parte da população, incluindo os seus portadores.

O perfil da pessoa com DPOC em geral é de uma pessoa fumante, com cerca de 40 anos e que apresenta como principais sintomas a tosse e a falta de ar.

Os tabagistas acham que a tosse é um produto que vem natural e “gratuitamente” com o cigarro e que um dia vai passar… Grande engano! A tosse não cessa, ao contrário,  tende a piorar e o tabagista acaba se acostumando achando mesmo que a tosse é normal!

 

Diagnóstico da DPOC

A grande maioria das pessoas que fumam pensam que por terem feito uma radiografia de tórax recentemente, e esta encontra-se com o laudo “normal.” Infelizmente a imagem não é tudo! A Radiografia de tórax pode ser normal e ainda assim o paciente pode apresentar DPOC.

O Exame que diagnostica DPOC é a espirometria ou prova de função pulmonar ( também conhecida popularmente como “teste do sopro”). A espirometria avalia dados da função pulmonar que podem indicar ser o fumante portador de DPOC.

 

Mas Lembre: Fumar provoca 52 doenças diferentes e uma delas é a DPOC!

 

Indústria Tabagista & DPOC

 Para a “felicidade” da Indústria de derivados de tabaco, como a de cigarros, os fumantes acham que podem parar de fumar a qualquer momento. Isto, para a enorme maioria da pessoas não acontece, por uma razão muito simples:

O CIGARRO CONTÉM NICOTINA UMA SUBSTÂNCIA QUE QUE VICIA, PROVOCA DEPENDÊNCIA QUIMICA E IMPEDE A PESSOA DE PARAR DE FUMAR!

Segundo o editor médico da PULMAOSA, O Dr. Marcos Nascimento, ” é por esta razão que parar de fumar sem acompanhamento médico é extremamente difícil: apenas 3 a 5 pessoas a cada 100 conseguem.” Por isto, a necessidade de procurar por ajuda psicológica e médica para iniciar um tratamento cognitivo comportamental, complementa o Dr. Nascimento. E caso seja necessário utilizar medicamentos para minorar a síndrome de abstinência – que é aquele desejo incoercível de voltar a fumar, há vários medicamentos que podem ser usados para este fim.  De tal forma que com acompanhamento, o tratamento do tabagismo terá maior chance de sucesso e você pode impedir a progressão da DPOC.

Como qualquer empresa comercial as industrias tabagistas desejam apenas LUCRO para poder remunerar os seus acionistas.  As indústrias tabagistas obviamente sabem que o cliente pode ficar doente! Aliás, é exatamente por saber que seus clientes ficarão doentes, e poderão morrer ou deixar de ser clientes, é que desenvolveram um Marketing extremamente focado nos jovens e nas mulheres para retroalimentar sua base de consumidores e por conseguinte continuar seu negócio lucrativo.

 Parar de Fumar e DPOC

Há um ditado chinês em que alguém pergunta quando é o melhor momento para se plantar uma árvore. E a resposta diz que o melhor momento foi há vinte anos. O segundo melhor momento é agora!

Portanto, assim é com o DPOC e o tabagismo: O Melhor, seria não fumar em momento algum, mas SEMPRE será um excelente momento para PARAR DE FUMAR. Sendo assim, procure a ajuda de um(a) pneumologista, ele(a) saberá informa-lo(a) sobre os malefícios do cigarro e conduzir o melhor tratamento para a DPOC, começando pelo parar de fumar!

Fontes:

Pulmão S/A: Sua Atmosfera, Sua Vida!®

OMS: Organização Mundial da Saúde

%d blogueiros gostam disto: