Arquivo

Posts Tagged ‘Nicotine’

As Táticas de Marketing da Indústria Tabagista * Marketing tactics of tobacco industry

1 de outubro de 2010 Comentários desligados

Táticas de Marketing da Indústria tabagista

Desde os primórdios da descoberta do tabaco há menções associadas aos seus riscos a saúde como o decreto sobre o fumo do Rei da Inglaterra George em 1604, onde abordava que o tabaco provocava dor de cabeça e problemas de pulmão…

Com o consumo do tabaco sob a forma industrializada dos cigarros surgem ditos  populares como “Tosse de Fumante”  “Dedos de fumante” e nos Estados Unidos, no início do século XX, cigarros eram chamados de “pregos de caixão.”

Como então continuar no “negócio” e inclusive aumentar as vendas de um produto que literalmente mata os seus consumidores?

A fim de afastar “qualquer Risco” para o negócio, a Indústria tabagista, muito antes de existir as profissões de administrador de empresas e de profissionais de marketing, começa a fazer anúncios e a praticar o que hoje conhecemos como práticas de Marketing.

A indústria de cigarros inicia a resposta a pergunta acima, com a estratégia da contra propaganda ao associar seu produto acredite a… Saúde!

Para isso contrata radialistas (que em 1920 tinham projeção similar as estrelas de cinema, de séries de TV ou jogadores de futebol hoje), Esportistas, Atores de Hollywood,como John Wayne e Ginger Rogers.Nas décadas  de 1940 a 1960 incorpora profissionais com alto crédito na sociedade americana e mundial como enfermeiras, médicos, dentistas, cientistas e até astronautas para passar idoneidade as marcas de cigarros.

A Winston associa-se a estúdios de desenhos animados como podemos ver no vídeo abaixo dos Flinstones:

A tática de associar-se aos esportes é prática corrente também hoje em dia, vide os anúncios em corridas de Fórmula Indy e de Fórmula 1- sempre aliando imagens de juventude, frescor, desejos, superação e vitórias. Há pesquisas de mercado que indicam que produtos anunciados durante uma corrida da Nascar são os preferidos por 70% dos espectadores em detrimento de outros produtos com qualidade similar. As corridas de carros atraem uma gama enorme de audiência jovem, alvo preferencial das companhias de cigarros.

A mulher é outro foco preferencial como se pode observar nas refinadas propagandas dirigidas a este público – abordando liberdade, sucesso, independência financeira, beleza, poder de decisão. Há um direcionamento às mulheres do mundo inteiro fazendo analogias inclusive a marcas famosas de perfumes, como a propaganda do nº9. Até mesmo a reengenharia das embalagens que se tornam mais finas, com o objetivo de caber em qualquer bolsa feminina. Isto é confirmado pelos documentos da própria indústria que vieram a público durante os julgamentos do governo dos Estados Unidos versus as companhias de cigarros.

“Ao público feminino também é reservado às estratégias dos cigarros com alcatrão e nicotina reduzidos” e os cigarros com sabores os mais variados como cravo (Kreteks), canela, menta, baunilha, e chocolate. Cabe aqui um alerta, pois se trata mais uma vez de uma propaganda altamente enganosa, visto que nicotina provoca dependência química em qualquer concentração.

Nos países em que há leis de proteção a saúde pública com a proibição do fumo em áreas públicas, as companhias de cigarros se especializaram em práticas de marketing de guerrilha. Sendo assim, agem:

  • Em ambientes universitários convidando atores e personagens de mídia para palestras nos chamados “Diálogos Universitários.”
  • Patrocinando eventos desde concertos de rock na indonésia a encontros de DJ no Brasil;
  • Patrocinando e montando pontos de venda localizado nos caixas dos estabelecimentos, apresentando layouts cada vez mais coloridos com letras e palavras em inglês, e com designer e luminosidade altamente sofisticados. Isso tudo em meio a balas, doces e revistas destinadas ao público infanto-juvenil.

A exposição acima mostra que a indústria de cigarros se especializou sim em Marketing na administração e divulgação de seus produtos: O Marketing da propaganda enganosa. E para constatar isso não é preciso nem ler este texto. Como o ditado popular chinês apregoa: As imagens  falam!

FONTES:

PULMÃO S.A. – Sua Atmosfera, Sua vida!

Legacy Tobacco Documents Library – California University

PUCPR

INCA- Instituto Nacional do Câncer- Brasil

 

ENGLISH

 

Marketing tactics of tobacco industry

Since the early days of the discovery of tobacco there are entries associated with their health risks like smoking decree of King George of England in 1604, where he addressed that tobacco caused headaches and lung problems …

With tobacco consumption in the form of cigarettes come industrialized popular sayings as “smoker’s cough” smoker’s fingers “and the United States in the early twentieth century, cigarettes were called” coffin nails. ”

How then continue their “business” and even increase sales of a product that literally kills its consumers?

In order to remove “any risk” to their business, the tobacco industry, before there are professions of business administrator and marketing professionals begin to make announcements and to practice what we know today as Marketing practices.

The cigarette industry begins to answer the question above with the strategy of counter propaganda to associate their product to  …..Heath!

The Tobacco companies contract broadcasters in 1920 (who in 1920 had forecast similar to the Movie Stars from TV series or football players today).

Sportsmen, Hollywood actors, like John Wayne and Ginger Rogers.Nas decades from 1940 to 1960 incorporates a high professional credit in American society and world as nurses, doctors, dentists, scientists and even astronauts to pass fitness brands of cigarettes.

The Winston is associated with animation studios as we see in the video below the Flintstones as seen on the video.
The tactic of associating with sports is also common practice nowadays as seen in the Indy and Formula 1 ads – always combining images of youth, freshness, desires, victories and resilience. There is market research indicating that products advertised during a NASCAR race are preferred by 70% of viewers at the expense of other products with similar quality. Car racing attracts a huge young audience, prime target of cigarette companies.

The woman is another focus preferred as can be seen in exquisite advertisements targeted to that audience – addressing freedom, success, financial independence, beauty and discretion. There is a direction to women around the world making analogies including the famous brands of perfumes, as the propaganda of Camel 9. Even the reengineering of packaging that becomes thinner in order to fit into any handbag. This is confirmed by the industry’s own documents that became public during the trial the U.S. government versus the tobacco companies.

“When the female is also reserved to the strategies of cigarettes with low tar and nicotine” cigarettes with flavors and the most varied as carnation (kreteks), cinnamon, mint, vanilla and chocolate. It should be a warning, because it is once again a highly misleading propaganda, since nicotine is addictive chemical in any concentration.

In countries where there are laws to protect public health with the ban on smoking in public areas, the cigarette companies specialize in guerilla marketing practices. So act:

  • In university environments inviting actors and characters speaking to youth in so-called “Dialogues at University.”
  • Sponsoring events from Rock concerts in Indonesia to an DJ Meeting in Brazil;
  • Sponsoring and building Points of Sale located in boxes of establishments, with more colorful layouts with big letters and words in English also in countries whose English is not their mother language; and with designer and lighting highly sophisticated. This is all in the midst of candies, sweets and magazines targeted at children and youth.The exhibition Conference and the Flintstones’ video above show that the tobacco industry has specialized itself in marketing management and dissemination of their products: But, they have specialized in marketing hype. And to see this is not necessary even reading this text, because as the Chinese proverb proclaims: The images speak by themselves!
  • SOURCES:

    PULMAOSA –Lungs: Your atmosphere, your life! ® Legacy Tobacco Documents Library – California University
  • PUCPR Archives.
  • INCA- Brazilian National Cancer Institute.
Categorias:DR./MD., Pare de Fumar / Quit, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Indústria de Cigarros:Fumar é responsabilidade só do consumidor – Cigarette Industry: smoking is only consumer’s responsibility

19 de setembro de 2010 Comentários desligados

STF - Brazil Supreme Court Building

Indústria de Cigarros afirma que a responsabilidade sobre decisão de fumar é só do consumidor

(PULMAOSANEWS) No primeiro processo a chegar à corte suprema do Brasil (STF) contra a Indústria de cigarros Souza Cruz, subsidiária da British American Tobacco (BAT), a empresa alega em sua defesa que o consumidor tem responsabilidade pelas consequências de sua própria decisão de fumar.

Em sua defesa, a Souza Cruz também sustenta a incompetência absoluta do Juizado Especial de pequenas causas para julgar demandas complexas do ponto de vista fático-probatório.

A empresa sustenta ainda que não existe responsabilidade objetiva da empresa porque: a) o cigarro não é um produto defeituoso; b) os riscos associados ao consumo de cigarro têm sido largamente divulgados há décadas e, portanto, são razoavelmente esperados;

Como supracitado, trata-se do primeiro processo movido por consumidor de cigarros contra a indústria tabagista no Brasil alegando que, por aproximadamente 44 anos, teria fumado cigarros produzidos pela Souza Cruz, que ele seria dependente do produto e que a propaganda da empresa seria enganosa.

O ministro Ayres Britto pediu vistas ao processo e adiou a conclusão do julgamento de um recurso interposto pela empresa de tabacos Souza Cruz S/A contra ação de indenização que a condenou ao pagamento de danos materiais a um consumidor de seus cigarros.

Este processo ainda é inconclusivo e precisamos esperar a decisão judicial sobre o mesmo.

Chama a atenção pela importância, não apenas pelo ineditismo, mas para que os fumantes apercebam que a própria indústria exime-se de qualquer responsabilidade, atribuindo ao consumidor a responsabilidade pelas doenças geradas pelo fumo.

“Uma vez que a literatura médica provou que o tabagismo passivo é capaz de provocar câncer de pulmão em esposas de fumantes, conforme citado no trabalho clássico de Hirayama1, acredito que este processo serve como alerta para a necessidade de se estender a proibição de fumar não apenas em áreas públicas fechadas, mas também em áreas públicas abertas, já adotadas pela cidade de Vancouver no Canadá e que deve ser seguida muito pela cidade de Nova York, nos Estados Unidos, e que esperamos também seja realidade em breve também no Brasil,” afirma o consultor médico da PULMÃO S.A. o Dr. Marcos Nascimento.

Fontes:

1.Non-smoking wives of heavy smokers have a higher risk of lung cancer: a study from Japan.- Harayama et all, Br Med J (Clin Res Ed) 1981; 282 : 183 doi: 10.1136/bmj.282.6259.183 (Published 17 January 1981)

2.PULMAOSANEWS

3.Notícias Jus Brasil

ENGLISH

Cigarette Industry states the responsibility for smoking belongs only to consumers

(PULMAOSANEWS) In the first case to reach the Supreme Court of Brazil (STF) against the cigarette industry Souza Cruz, a subsidiary of British American Tobacco (BAT), claims in its defense that the consumer has responsibility for the consequences of their own smoking decision.

In his defense, Souza Cruz also holds the absolute incompetence of the Small Special Court claims judge to complex demands in terms of factual-evidence.

The company also maintains that there is strict liability company because: a) smoking is not a defective product, b) the risks associated with cigarette smoking have been widely publicized for decades and, therefore, are reasonably expected;

As mentioned above, this is the first lawsuit by a cigarette smoker against the tobacco industry in Brazil, arguing that, for about 44 years, he had smoked cigarettes manufactured by Souza Cruz  and that would make him be dependent on the product and that advertising company would be misleading .

The Court Minister Ayres Britto asks to review the process and postponed the completion of the trial of an appeal by tobacco company Souza Cruz S / A libel action against the convicted to pay for property damage to a consumer of cigarettes.

This process is still inconclusive and we must await the court decision on it.

Calls attention to the importance not only for its rarity, but that smokers realize that the industry itself disclaims any liability, giving the consumer the all responsibility for the diseases caused by smoking…

“Once the medical literature has proven that passive smoking can cause lung cancer in wives of smokers, as quoted in the classic work Hirayama1, I believe that this process serves as alert to the need to extend the no smoking ban  not only in closed public areas, but also in open public spaces, already adopted by the City of Vancouver in Canada and that should be followed by New York City in United States, and I also hope that soon as possible become a reality also in Brazil, ” says the consultant physician of PULMAOSA Respiratory Site, Dr. Marcos Nascimento.

Sources:

1.Non-smoking wives of heavy smokers to Have High Risk of Lung Cancer: A Study from Japan .- Harayama et al, Br Med J (Clin Res Ed) 1981; 282: 183 doi: 10.1136/bmj.282.6259.183 ( Published 17 January 1981)

2.PULMAOSANEWS

3.Notícias Jus Brasil ( Free access in Portuguese)

FDA Alerta contra Cigarros Eletrônicos – FDA Warning against E- Cigarettes

10 de setembro de 2010 Comentários desligados

PULMAOSANEWS

FDA notifica 5 fabricantes de Cigarros Eletrônicos por descumprir lei

(PULMAOSANEWS)–  A agência Americana para controle de medicamentos e alimentos (FDA) anunciou nesta quinta-feira 9 de setembro de 2010 que advertiu cinco fabricantes de cigarros eletrônicos de que eles estão violando a lei federal, alegando falsamente que seus produtos ajudam fumantes a parar de fumar.

Os cigarros eletrônicos não são considerados medicamentos para o tratamento da dependência de nicotina e são, portanto proibidos pela FDA.

A PULMÃO S.A esclarece que os E-cigarros são alimentados por pilhas, assemelha-se a cigarros tradicionais e contem uma mistura de nicotina líquida e derivados do tabaco, bem como sabores e outros produtos químicos. O líquido é convertido em um vapor que o usuário inala. O consultor médico da PULMÃO S.A.  Dr. Marcos Nascimento lembra que nenhum produto que contenha nicotina é seguro pois causa dependência química.

Nenhuma das empresas notificadas submeteu os E- cigarros aos testes de segurança e eficácia do FDA, e não podem ser comercializados para tratar o tabagismo.

As  empresas  comunicadas foram a E-CigaretteDirect de Parker, Colorado; Ruyan América, de Minneapolis, Gamucci América, também conhecido como Smokey Bayou, de Jacksonville, na Flórida; E-Cig Tecnologia de Las Vegas, e Johnson’s Creek Enterprises, com sede em Johnson , Wisconsin.

A empresa E-Cig Tecnologia recebeu uma advertência adicional porque nos cartuchos de recarga( Refill) para os E- cigarros havia  medicamentos para:

1. Promover perda de peso chamado rimonabant;

2. medicamento para  disfunção erétil chamado tadalafil, ambos com comercialização proibida nos Estados Unidos. Estes medicamentos sob a forma líquida são inalados sob a forma de vapor durante o consumo do produto e incutem falsa idéia de resultados positivos para os consumidores, configurando ato gravíssimo.

As empresas têm 15 dias para responder as advertências do FDA.

Fontes:

PULMAOSANEWS_ PULMÃO S.A. Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

FDA- US FOOD and Drugs Administration


ENGLISH

FDA notifies against 5 electronic cigarette distributors
(PULMAOSANEWS) – The U.S. Agency for control of medicines and food products (FDA) announced on Thursday, September 9, 2010 that warned five manufacturers of electronic cigarettes that they are violating federal law, claiming falsely that its products help smokers quit smoking.

Electronic cigarettes are not considered drugs for the treatment of nicotine dependence and are therefore prohibited by the FDA.
The PULMAOSA clarifies that the E-cigarette rollers are powered by batteries, similar to traditional cigarettes and containing a mixture of liquid nicotine and tobacco, as well as flavors and other chemicals. The liquid is converted into a vapor which the user inhales. The PULMAOSA consultant physician Dr. Marcos Nascimento remember that no product containing nicotine is safe because it causes addiction.
None of the companies notified the submitted e-cigarettes to test safety and efficacy of the FDA, and can not be marketed to treat smoking.
The companies reported were E-CigaretteDirect Parker, Colorado; Ruyan America, Minneapolis, Gamucci America, also known as Smokey Bayou, Jacksonville, Fla.; E-Cig Technology Las Vegas, and Johnson’s Creek Enterprises, established in Johnson, Wisconsin.
The company E-Cig Technology received an additional warning because we refill cartridges (Refill) for E-cigarettes were no medicines to:
1. Promote weight loss and called rimonabant
2. medicine for erectile dysfunction tadalafil called, both banned in the U.S. market. These medicines in liquid form are inhaled in the form of steam during consumption of the product and instill a false idea of positive outcomes for consumers, constituting very serious act.
Companies have 15 days to respond to warnings from the FDA.

Sources:
PULMAOSANEWS_ PULMAOSA Your atmosphere, Your Life! ®
FDA-US Food and Drug Administration- FDA Full Article

Vancouver Livre de Fumo! Vancouver Tobacco Free!

3 de setembro de 2010 Comentários desligados

Comemoração em Vancouver - Vancouver Celebration

Todos os parques e praias da cidade de Vancouver já são antifumo.

(PULMAOSANEWS) O Órgão responsável pelo controle de parques da cidade de Vancouver no Canadá  aprovou um estatuto que proíbe fumar em todos os parques da cidade, praias, campos de golfe, campos de esportes, playgrounds, trilhas e espaços pertencentes aos parques de domínio público.
A lei entrou em vigor na última quarta-feira, 1º de setembro de 2010.
As multas para os infratores  de primeira vez começam em US$ 250 e pode ir a US$ 2000.

A proibição de fumar nos espaços públicos fora aprovada pelo conselho do parque, em abril, citando “dados da literatura médica a respeito dos perigos significativos para a saúde ocasionados pelo tabagismo, e levaram em conta os impactos ambientais e estéticos ocasionados pelos restos de cigarro, o risco de incêndios florestas urbanas, e  fora aprovada mediante consulta pública .

O consultor médico do site PULMÃO S.A , Dr. Marcos Nascimento afirma que esta é uma tendência internacional  a favor da saúde pública, uma vez que não há nenhuma forma segura de consumo de derivados de tabaco.  A proibição do fumo em áreas públicas é uma medida que protege tanto aqueles que estão passivamente expostos quanto o próprio fumante, pois este pela restrição, tenderá a consumir menos. Tanto o fumo ativo, como o fumo passivo são letais, pois estão associados a mais de 50 doenças além do DPOC e o câncer de pulmão.

É de fato uma medida que precisa ser comemorada por todos, afinal resultará em menor número de doenças Cardiovasculares, Pulmonares e Oncológicas (veja a Matemática do tabagismo),refletirá também nas contas públicas, afinal o tabagismo impacta negativamente custos de saúde em qualquer país do mundo.

Porém o melhor desta medida é desestimular o início do tabagismo entre os jovens, sendo louvável que cidades no Brasil como Curitiba,Rio de Janeiro, São Paulo, Maringá, João Pessoa,Manaus, Salvador, Londrina, etc  seguissem este exemplo para os parques públicoscomo os Zoológicos, complementa  Dr.Nascimento.

Fontes:

PULMAOSANEWS- PULMÃO S.A. Sua atmosfera, Sua Vida!®

The Globe and Mail Newspaper

ENGLISH


All parks and beaches of Vancouver are already smoke free.

Praia em Vancouver Beach

(PULMAOSANEWS) The Authority responsible for the control of Vancouver City Parks passed a statute that prohibits smoking in all city parks, beaches, golf courses, sports fields, playgrounds, trails and park spaces belonging to public domain.
The law went into effect last Wednesday, 1st September 2010.
The penalty for first-time violators begin at $ 250 and can go to $ 2000.
The ban on smoking in public places was approved by the board of the park in April, citing “medical literature data about the significant dangers to health caused by smoking, and took into account the environmental and aesthetic impacts caused by the remnants of cigarette the risk of urban forest fires, and was approved by public consultation.

The physician consultant of Respiratory web site PULMAOSA, Dr. Marcos Nascimento says that this is an international trend in favor of public health, since there is no safe way to consumption of tobacco products. The ban on smoking in public areas is a measure that protects both those who are passively exposed as the smokers, because by this restriction they will tend to consume fewer cigarettes. Both active smoking and second hand smoking are deadly as they are associated with more than 50 diseases besides COPD and lung cancer.
It is indeed a measure that needs to be celebrated by all, ultimately result in fewer cardiovascular diseases, Lung and Oncology (see the Mathematics of smoking) and also reflected in public accounts because smoking causes negatively impacts in health care costs in any country. However the best in this measure is to discourage the onset of smoking among youth and It would be commendable that cities, such as Curitiba in Brazil also adhere it in parks as for example Zoo , complements Dr. Nascimento.

Sources:
PULMAOSANEWS-PULMAOSA: Lungs, Your Atmosphere, Your Life! ®
The Globe and Mail Newspaper

Sexta feira 13 e os Mitos do Tabagismo Friday 13th and Smoking’s Myths

15 de agosto de 2010 Comentários desligados

Wall Disney Pinochio- All Rights Reserved

Os Mitos da Sexta feira 13 e do tabagismo

Tal qual o mito da sexta-feira 13 com várias histórias que não passam de superstições,há sobre o consumo de tabaco vários mitos divulgados por conta dos interesses envolvidos.

A divulgação destes mitos ou falácias é adotada como estratégia de marketing pela indústria tabagista e com o nítido objetivo de lançar uma cortina de fumaça sobre o assunto e confundir a população ao contrapor as medidas de prevenção e restrição ao consumo de tabaco.

A PULMÃO S.A. esclarece que não existe qualidades a serem exaltadas em relação ao consumo de qualquer produto derivado de tabaco. E analogamente ao mito da sexta feira 13, publica mitos ou inverdades com relação ao tabagismo:

Mito 1: O Controle do Tabagismo ocasionará desemprego:

A Indústria tabagista prega que se os governos restringirem o consumo de tabaco como prega a Convenção Quadro – Tratado Internacional proposto pela Organização Mundial de Saúde (OMS) que regulamenta o uso do tabaco – haverá perdas maciças no número de postos de trabalho.

Realidade: Dados do Banco Mundial mostram que a política de Controle do tabagismo e a criação de ambientes 100% livres de tabaco geram muito pouco ou nenhum impacto no número de empregos do setor hoteleiro ou de bares e restaurantes, uma vez que os gastos com cigarros seriam facilmente substituídos por consumo de outros produtos e serviços.1

Mito 2: “A aprovação dos artigos 09 e 10, da Convenção Quadro, a qual  recomenda a  proibição e restrição do uso de aditivos em cigarros e outros produtos similares, atinge e proíbe o uso de tabaco tipo burley.”

Realidade: A  medida proposta para os artigos 09 e 10 em nenhum momento menciona proibir o uso de nenhum tipo de tabaco.

O seu objetivo é  restringir o uso de aditivos  na manufatura de cigarros e similares, principalmente naqueles que têm  função de:

    • Aumentar o poder da nicotina em causar dependência;
    • Aumentar a atratividade para adolescentes.

Por outro lado, vale salientar que durante a combustão do cigarro, alguns aditivos se transformam em substâncias altamente tóxicas causadoras de danos a saúde, o que por si só já é justificativa para  limitar do seu uso.

É, por exemplo, o caso do açúcar que quando queimado se transforma em acetaldeído.  O acetaldeído é   considerado uma neurotoxina  porque causa degeneração em células dendríticas do tecido cerebral além de  facilitar e intensificar o efeito da dependência da  nicotina no cérebro. O alcetaldeído também é classificado como cancerígeno para seres humanos  pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer da OMS.

Documentos internos de companhias de cigarro mostram que até a década de 70 os cigarros eram fabricados quase sem nenhum tipo de aditivos e que essa tecnologia foi desenvolvida com os objetivos de potencializar a dependência dos produtos, aumentar a palatabilidade e a atratividade para facilitar a iniciação entre jovens.

Enfim, estamos novamente assistindo uma manobra para impedir uma medida que certamente contribuirá para reduzir o consumo de produtos de tabaco e suas consequências.

Isso também aconteceu durante os dois anos de discussão sobre a ratificação da Convenção Quadro  pelo Brasil, quando a industria do tabaco e suas afiliadas principalmente a AFUBRA divulgou em regiões fumicultoras e junto a parlamentares que se o Brasil ratificasse a Convenção, seria proibido plantar fumo no Brasil.2 Fato este  que consolidou-se como mais um mito!

Mito 3: Aditivos utilizados nos Cigarros são seguros porque são utilizados em Alimentos.

Realidade: Duas importantes observações precisam ser consideradas em relação ao uso de aditivos em produtos de tabaco:

  1. O primeiro é que a via de uso de grande parte desses produtos é a inalatória.
  2. E a segunda é que esses ingredientes sofrem uma série de mudanças quando submetidos à combustão em altas temperaturas.

Portanto, ao serem inalados e absorvidos pelos pulmões, esses elementos tóxicos resultantes da combustão dos aditivos NÃO são submetidos a nenhum processo de “filtragem bioquímica” pelo sistema de purificação do organismo, como acontece quando a via de entrada no organismo se dá pelo tubo digestivo, na ingestão de alimentos, ou pela pele, no uso de cosméticos.

Alguns ingredientes se tornam altamente tóxicos quando submetidos à combustão, como é o caso do tabaco.

Portanto, devido ao fato dos pulmões não terem nenhum sistema de purificação, uma

substância química que pode ser segura se aplicada na pele ou ingerida, poderá causar graves danos quando inalada pelos pulmões.3

Mito 4: “Os impostos sobre o tabaco cobrem os prejuízos com seu uso.”

Realidade: Tabagismo é responsável por ocasionar 52 doenças catalogadas no Código Internacional de Doenças (CID), sobre isto, não há dúvidas de que ocasiona um impacto sobre o Tesouro Nacional de qualquer Nação.

O Fumante tem maior número de faltas ao trabalho- 6,16 dias por ano, em comparação com os não fumantes- 3,86 dias por ano- Uma diferença de 2 dias.4 Mas o fumante também falta por causa de doenças provocadas a terceiros por fumo passivo, como em familiares, principalmente crianças. Some-se a isso, a “abstinência presencial,” que é ocasionada pela perda de horas de trabalho/ano por fumar um cigarro em horário de trabalho. Se fizermos uma conta simples, calculando este tempo em média de 5 minutos/ cigarro, esta perda chega a cerca de 10 dias por ano de trabalho ao se consumir 8 cigarros em serviço, impactando sensivelmente as empresas com perda de produtividade.

Mito 5: “Proibir divulgação nos pontos de venda fere a liberdade de expressão.”

Realidade: Sabidamente a propaganda constitui um forte atrativo para o consumo de qualquer produto. Mas os anúncios dos produtos devem responder a legislação vigente e ser direcionada ao público alvo.

No caso do cigarro a propaganda deve se destinar a adultos e não a jovens ou crianças.

Mas o que acontece nos pontos de venda? Eles são estrategicamente posicionados na saída das lojas, no caixa de pagamento, e em geral em companhia de revistas infantis e juvenis, além de doces, chocolates e balas.

A Convenção Quadro assinada pelo Brasil, determina em seu artigo número 13:

Sobre a Publicidade, promoção e patrocínio do tabaco:

“1. As Partes reconhecem que uma proibição total da publicidade, da promoção e do patrocínio reduzirá o consumo de produtos de tabaco.

2. Cada Parte, em conformidade com sua Constituição ou seus princípios constitucionais, procederá a proibição total de toda forma de publicidade, promoção e patrocínio do tabaco.”

De maneira, que para aqueles países que assinaram o tratado, isto não fere a liberdade de expressão, muito pelo contrário, apenas ratifica a necessidade de cumprir a legislação.

A Indústria Tabagista Internacional apregoa que tem responsabilidade social e destina sua venda ao público adulto.

Mas não é o que acontece no Casaquistão, por exemplo, onde houve denúncia de exploração de trabalho infantil em fazendas destinadas a plantação de tabaco, como divulgado pela PULMÃO S.A.

Cabem aqui dois questionamentos:

(1). Este ato representa Responsabilidade Social com quem?

(2). Para os países que ratificaram a Convenção Quadro, qual o porquê dos cigarros continuarem a mostra em letreiros muito bem arquitetados e com luzes brilhantes junto a produtos destinados ao público infantil?

Adendo: No Continente Americano nem os Estados Unidos tampouco a Argentina assinaram a Convenção Quadro.

Mito 6: “Os Cigarros Light são mais seguros.”

Realidade: Os cigarros light foram adotados como estratégia da indústria para que os fumantes pensassem que ao reduzirem a quantidade de nicotina seria mais fácil fumar.

A inflexão do verbo aqui no condicional [“seria”] expressa de fato a realidade, pois não há quantidade segura de nicotina.

Nicotina age sobre os receptores cerebrais da acetil colina no cérebro e promove um fenômeno chamado “Up Regulation,” que significa que a molécula de nicotina é capaz de gerar um aumento quantidade e  na qualidade( avidez) dos  receptores, conforme pode ser ilustrado no vídeo sobre a ação da nicotina:


Outra realidade é que ao promover a troca de um cigarro com mais nicotina por um cigarro light, o fumante entrará em síndrome de abstinência mais vezes e mais rápido, levando a um consumo maior de unidades, ou seja, tudo o que a Indústria de tabaco deseja.

Outro fato é que a diminuição de partículas no cigarro light tem promovido um aumento do tipo de câncer de pulmão adenocacinoma (que são localizados na parte periférica do pulmão), em relação ao tipo histológico de células escamosas, que é mais central.

A denominação light, proibida desde 2002 na Europa e em 2010 nos Estados Unidos é justificada por ser essencialmente propaganda enganosa.5

FONTES:

  1. Banco Mundial. A Epidemia do Tabaco: Os Governos e os Aspectos Econômicos do Controle do Tabaco- Washington, 2000
  2. Secretaria Executiva da Comissão Nacional para a Implementar a Convenção Quadro para o Controle do Tabaco- CONICQ – INCA/Ministério da Saúde do Brasil;
  3. Essays in Philosophy A Biannual Journal The Right to Choose: Why Governments Should Compel the Tobacco Industry To Disclose Their Ingredients Vol. 6, No. 2, June 2005;
  4. Action on Smoking and Health. Trade Unions Congress, United kingdom, 2000;
  5. Os 50 mitos do tabaco: 2009, © Rodrigo Córdoba y Encarna Samitier.
  6. Youtube free videos;
  7. PULMAOSA- Sua Atmosfera, Sua Vida! ®
  8. ENGLISH


    The Friday 13th and Smoking’s Myths

The disclosure of these myths and fallacies is adopted as a marketing strategy by the tobacco industry and with the apparent goal of launching a pall over the issue and confuse the population to oppose the measures to prevent and reduce consumption of tobacco.
The PULMAOSA clarifies that no qualities were celebrated in relation to consumption of any product derived from tobacco. And similarly to the myth of Friday, PULMAOSA publishes myths or untruths in relation to smoking:


Myth 1: Tobacco Control will cost jobs:

The tobacco industry holds that if governments restrict tobacco consumption as preaches the Framework Convention – the International Treaty proposed by the World Health Organization (WHO), which regulates tobacco use – there will be massive losses in the number of jobs.
Reality: Data from the World Bank show that the policy of Tobacco Control and the creation of environments 100% smoke-free produce very little or no impact on the number of jobs in the hospitality industry or in bars and restaurants, as spending on cigarettes would be easily replaced by consumption of other products and serviços.1
Myth 2: “The approval of Articles  number 09 and 10 of the Framework Convention for Tobacco Control, which recommends the prohibition and restriction of the use of additives in cigarettes and other similar products, amounts and prohibits the use of tobacco Burley type.”

Reality: In The proposed measure of  Framework Convention’s Articles 09 and 10 there is no mentions prohibit the use of any tobacco type.
Its purpose is to restrict the use of additives in the manufacture of cigarettes and the like, especially those that have the functions of:
• Increase the power of nicotine to cause addiction;
• Increase the attractiveness to adolescents.
Furthermore, it should be noted that during combustion of the cigarette, some additives are transformed into highly toxic substances that cause damage to health, which in itself is justification for limiting its use.
It is, for example the case of sugar, which when burned turns into acetaldehyde. Acetaldehyde is considered a neurotoxin because it causes degeneration of the dendritic cells in brain tissue and to facilitate and enhance the effect of nicotine addiction in the brain. The alcetaldeído also is classified as carcinogenic to humans by WHO’s International Agency for Research on Cancer.
Internal documents from tobacco companies  show that in the 70’s decade, the cigarettes were manufactured almost without any additives and that this technology was developed with the objective to enhance the dependence of products, increase the palatability and attractiveness to facilitate initiation among young .
Finally, we are again witnessing an attempt to stop a measure that will certainly contribute to reducing the consumption of tobacco products and their consequences.
This also happened during the two years of discussion on the ratification of the Framework Convention by Brazil, where the tobacco industry and its affiliates announced to agriculture workers and lawmakers  that if Brazil ratify the Convention, would be forbidden to plant tobacco in Brazil.2 This fact has become more one myth!

Myth 3: “Additives used in cigarettes are safe because they are used in foods.”

Reality: Two important observations need to be considered in relation to the use of additives in tobacco products:
1. The first is that the route of use of most of these products is by inhalation.
2. And the second is that these ingredients undergo a series of changes when subjected to combustion at high temperatures.
Therefore, to be inhaled and absorbed through the lungs, these toxic elements from the combustion of the additives are NOT subjected to any process of “filtering biochemistry” by the purification system of the body, as when the route of entry into the body is through the digestive tract in food intake, or the skin, the use of cosmetics.
Some ingredients become highly toxic when subjected to combustion, as is the case of tobacco.
Therefore, due to the fact that the lungs do not have any purification system, a
chemical that can be safely applied to the skin or ingested, can cause serious damage when inhaled by pulmões.3

Myth 4: “Taxes on cigarettes cover the losses with its use.”

Reality: Smoking is responsible for causing 52 diseases classified in the International Classification of Diseases (ICD) on this, there is no doubt that has an impact on the Treasury of any nation.
The Smoker has a greater number of absences from work-6.16 days per year, compared with non-smokers 3.86 days per year-a difference of 2 dias.4 But smokers also missing because of diseases caused to third parties by passive smoking, as in families, especially children. Added to this, the “abstinence face,” which is caused by the loss of working hours per year for smoking a cigarette in working hours. If we do a simple math, calculating that an average time of five minutes per cigarette, this loss reaches about 10 days per year worked to consuming eight cigarettes into service, significantly impacting enterprises with lost productivity.

Myth 5: “Banning the point of sale disclosure hurts the freedom of expression.”

Reality: It is well known advertising constitutes a strong incentive for the consumption of any product. But the ads of the products should meet current legislation and be directed to the target audience.
In the case of cigarette advertising should be aimed at adults rather than children or young people.
But what happens at points of sale? They are strategically positioned at the exit from the shops, the cash payment, and usually in the company of youth and children’s magazines, sweets, chocolates and candies.

The Framework Convention signed by Brazil, determines in its article number 13:
On advertising, promotion and sponsorship:

“1. The Parties recognize that a total ban on advertising, promotion and sponsorship would reduce the consumption of tobacco products.

2. Each Party shall, in accordance with its constitution or constitutional principles, undertake a complete ban on all forms of advertising, promotion and sponsorship. ”

So that for those countries that signed the treaty, this does not hurt the freedom of expression, rather, only confirms the need to comply.

Industry International proclaim that Smoker has social responsibility and aims to sell its adult audience.
But it is not the case in Kazakhstan, for example, where there was complaint of child labor on farms for the planting of tobacco, as reported by PULMAOSA

Fit here two questions:
(1). This act represents Social Responsibility to whom?
(2). For countries that have ratified the Framework Convention, which why cigarettes continue to show signs of very well architected and bright lights along with products for the child audience?
Addendum: On the American continent nor the United States nor Argentina signed the Framework Convention.

Myth 6: “The Light cigarettes are safer.”

Reality: The light cigarettes were adopted as industry strategy for smokers who thought that by reducing the amount of nicotine would be easier to smoke.
The inflection of the verb in the conditional here [“would”] expresses in fact the reality, because there is no safe amount of nicotine.
Nicotine acts on brain receptors to acetyl choline in the brain and fosters a phenomenon called “Up Regulation” which means the nicotine molecule is capable of generating higher quantity and quality (avidity) of the receptors, as can be illustrated in the video about the nicotine action:



Another reality is that by promoting the exchange of a more nicotine per cigarette with a light cigarette, the smoker will take abstinence syndrome more often and faster, leading to higher consumption of units, ie all that the tobacco industry want.
Another fact is that the decrease of particle light cigarette has promoted an increase in the type of lung cancer adenocacinoma (which are located in the peripheral lung), in relation to histological type, squamous cell, which is more central.
The term light, banned since 2002 in Europe and 2010 in the United States is justified because it is essentially propaganda enganosa.5

SOURCES:

1. World Bank. The Tobacco Epidemic: Governments and Economic Aspects of Tobacco Control, Washington, 2000
2. Executive Secretariat of the National Commission for Implementing the Framework Convention on Tobacco Control-CONICQ – INCA / Ministry of Health of Brazil;
3. Essays in Philosophy A Biannual Journal The Right to Choose: Why Governments Should Compel the Tobacco Industry To Disclose Their Ingredients Vol 6, No. 2, June 2005;
4. Action on Smoking and Health. Trade Unions Congress, United kingdom, 2000;
5.The 50 myths tobacco: 2009, © Rodrigo Córdoba y Encarna Samitier.
6. Youtube Videos Free
7.PULMAOSA-Lungs: Your atmosphere, Your Life! ®


Congresso Americano investiga Companhia de Tabaco por trabalho infantil – US Congress investigates overseas labor data from Tobacco Company

20 de julho de 2010 Comentários desligados

Congresso Americano investiga atuação de companhia de tabaco no exterior

Na última sexta-feira (16 de julho) uma comissão de investigação do Congresso Americano solicitou a Companhia Philip Morris explicações a respeito de denúncias sobre exploração de trabalho infantil, condições de trabalho insalubre e até trabalho forçado em atividades realizadas fora dos Estados Unidos.

A denúncia surgiu a partir de reportagem realizada pelo Jornal The New York Times, sobre relatório da Human Rights Watch que denunciava que a fabricante do Marlboro estava associada a pelo menos 72 casos onde havia exploração de trabalho infantil em plantação de tabaco na Ásia, especificamente no Cazaquistão, conforme já relatado pela PULMAOSA em artigo intitulado “ A independência do Casaquistão ainda não aconteceu.”

A requisição de explicações a companhia foi feita pela Comissão de assuntos associados à Energia e ao Comércio, encarregada desde Janeiro de 2007 a investigar quaisquer alegações de práticas de trabalho abusivas por parte das companhias americanas seja em território nacional ou no exterior, e que já investigou denúncia de trabalho infantil em uma fábrica no exterior de  uma companhia de artigos esportivos.

Estas práticas incluem, por exemplo, trabalho forçado, retenção ilegal de documentos, condições de trabalho insalubres ou inseguras, trabalho ou exploração de mão de obra infantil e esforços realizados pelas empresas a fim de impedir tais atos.

A requisição foi assinada nesta sexta-feira (16 de julho de 2010), pelo deputado republicano pelo estado da Califórnia Henry A. Waxman, e pelo presidente da subcomissão de fiscalização e investigação, Bart Stupak, democrata de Michigan.

A Comissão do Congresso Americano exigiu uma resposta formal até Agosto de 2010.

Fontes:

PULMAOSANews – PULMÃO S.A. – Sua Atmosfera, Sua Vida! ®

The New York Times

ENGLISH

US Congress investigates overseas labor data from Tobacco Company

US Congress Building

(PULMAOSANEWS) Last Friday (July 16) an investigating committee of American Congress called for the Philip Morris Company’s explanations regarding complaints about child labor, unhealthy working conditions and forced to work in activities performed outside the United States.

The complaint arose from a report carried by The New York Times about a report by Human Rights Watch denounced the maker of Marlboro was associated with at least 72 cases where there was child labor in tobacco plantation in Asia, specifically in Kazakhstan, as already reported by PULMAOSA in an article titled   “The Kazakhstan independence has not happened yet.”

The request came from the Commission on issues related to Energy and Commerce, in charge since January 2007 to investigate any allegations of unfair labor practices by American corporations is in the national territory or abroad, and who has investigated the complaint of child labor a plant abroad for sporting goods company.

These practices include, for example, forced labor, illegal withholding of documents, unhealthy working conditions or unsafe labor or exploitation of child labor and efforts by companies to prevent such acts.

The requisition was signed on Friday (July 16, 2010), by the  California State Republican Rep. Henry A. Waxman, and the chairman of the subcommittee on oversight and investigations, Bart Stupak, a Michigan Democrat.
The Congress Committee demanded a formal reply until August 2010.

Sources:

PULMAOSANews – PULMAOSA – Your atmosphere, Your Life! ®

The New York Times


Categorias:Pare de Fumar / Quit, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

A Matemática do Tabagismo = DPOC + Plus -The Mathematics of Smoking = COPD + Plus

24 de maio de 2010 Comentários desligados

Tabagismo= DPOC + Plus * Smoking = COPD +Plus

A Matemática do Tabagismo = DPOC + Plus

Desde 2003 o Brasil é signatário de um tratado Internacional chamado Convenção- Quadro, que implica aos países que assinaram a Convenção a adotar políticas para o controle do tabaco e proteger as gerações presente e futura dos danos ambientais, econômicos e em saúde pública gerados pela exposição à fumaça ativa ou passiva do cigarro, ambas letais!

Tabagismo e Saúde

Os custos com o tabaco no Brasil, segundo estudo do Banco Mundial realizado levando em consideração as internações hospitalares associadas ao tabagismo ocorridas no SUS entre 1996 a 2005, giram em torno de Us$ 500 milhões de dólares.

Aproximadamente R$ 340 milhões ( Reais) é gasto apenas com internações para os casos de câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias atribuíveis ao tabagismo. Soma que equivale a quase 30% dos custos hospitalares totais do SUS para o tratamento dessas enfermidades.

Isto decorre do fato do tabagismo estar relacionado a tipos de patologias diferentes, gerando 52 códigos internacionais de doenças. Por isto o fumo leva a um número de óbitos de cerca de 200.000 pessoas por ano no Brasil, matando mais que a Malária, a Varíola e a AIDS juntas, segundo dados do  INCa e do Ministério da Saúde.

Recentemente o IBGE revelou que o número de fumantes no Brasil é de 24,6 milhões, e destes 81,3% (20 milhões), estão acima de 18 anos. E segundo o Datafolha há em relação ao cigarro uma opinião favorável ao aumento de impostos, com 63% da população acenando favoravelmente, e 88% concordam que impostos pagos pela indústria deveriam ir para o setor de saúde, podendo constituir uma solução para o não retorno da impopular CPMF, e ao mesmo tempo equilibrar o orçamento governamental.

Em relação aos tabagistas passivos, as leis antifumo implantadas no Brasil, constituíram um grande avanço, que precisa ser ratificado no Congresso Nacional através do ajuste ainda não complementado na lei federal nº 9.294/96, através do projeto lei  315/08 que objetiva repará-la, e que ainda permanece em trâmite.

Demais ajustes ainda são necessários como a proposição de se proibir venda de cigarros em perímetro escolares, tal qual uma maior vigilância para coibir a venda avulsa do produto, o que poderia em muito melhorar a proteção junto a crianças e adolescentes. Afinal, a nicotina comprovadamente é a droga que provoca mais mortes no mundo e é diretamente responsável por 90% dos casos de câncer de pulmão, doença com prognóstico ruim e extremamente letal.

A maioria dos fumantes quer parar de fumar. Mas, é preciso que planos de saúde privados e o governo ofereçam acesso aos seus clientes ao tratamento do tabagismo, na sua integralidade, incorporando medicações indicadas pela literatura médica, que contemplem o tratamento da síndrome de abstinência e aumentem os índices de êxito, permitindo conforme avaliação médica o uso desde adesivos de nicotina isolados, ao uso de Bupropiona ou da Vareniclina isolados ou mesmo associados.

Esforço para a implantação junto ao Programa de Saúde de Família poderia ser benéfico, popularizando exames simples como a espirometria e atuando numa esfera maior atingindo crianças e jovens na prevenção e propiciando diminuição nos casos de câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias atribuíveis ao tabagismo.

Este ato em muito contribuiria para a conscientização e para o decréscimo da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), que constitui a quarta maior causa de mortalidade mundial mundo.

Se fosse uma fórmula matemática poderíamos expressar o tabagismo da seguinte forma:

Tabagismo = DPOC + Plus

-Tabagismo é igual a Doença Pulmonar,Oncológica,Cardíaca Mais Pediátrica.

A proposição da PULMÃO S.A. é que um programa conjunto (DPOC+ Plus )   em relação ao tabagismo geraria benefícios claros para a Saúde Pública e também para a Economia Nacional.

A base do programa proposto está na sua fórmula matemática. Em outras palavras, as ações destinadas ao combate do tabagismo devem ser realizadas de maneira global, incorporando as interfaces Pulmonar, Oncológica, Cardíaca e também pediátrica.

O programa Nacional de Saúde de Família teria a missão de executar a ação governamental. Além dos programas  já implementados sobre Hipertensão e Diabetes seria desejável agregar uma interface pulmonar, em que a espirometria passasse a ter um status de exame de usual e que um programa para a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), com foco não apenas preventivo, mas de tratamento, cujo fornecimento de medicamentos como B2 e Anticolinérgicos de curta e também de longa ação, associado a disponibilidade do corticóide inalatório deveria ser acessível aos portadores de broquite crônica e de enfisema pulmonar, as interfaces do DPOC. Um programa de treinamento muscular orientado por fisioterapeutas também agregaria valor pois diminuiria os custos com internações hospitalares e mesmo a taxa de mortalidade, resultando em maior qualidade de vida para os portadores de DPOC.

Uma face Oncológica e um Programa Pediátrico também seriam adicionados, incorporando a vacina Pneumocócica Pneumo23 e a nova vacina Prevenar13, já aprovada pelo CDC nos Estados Unidos.

Nós cercaríamos as causas do DPOC e combateríamos o tabagismo de uma forma global. Teríamos uma alocação melhor e economia de recursos advindos da diminuição do número de hospitalizações para todas estas doenças supracitadas e de brinde uma queda também no número de morbidade e mortalidade provocadas pelos pneumococos.

Este plano deveria ser incorporado na agenda não apenas da Organização Mundial de Saúde e dos Ministério da Saúde de todos os países, mas também no das empresas de seguro de saúde , e obrigatoriamente constar na agenda dos atuais candidatos a Presidente da República.

Ao discutirmos tabagismo nos deparamos com um  assunto de interesse tanto para a Saúde Pública quanto para a Segurança Nacional.

É, portanto um  projeto nobre que  envolve as causas ambiental, Sócio Econômica, Médica, e agora: Matemática!

Atenciosamente,

Dr. Marcos Nascimento, Md.

Editor Médico do site PULMÃO S.A.- Sua Atmosfera, Sua vida!®

Professor Pneumologia PUCPR

FONTES:

  1. Chapman KR, Mannino DM, Soriano JB, et al. Epidemiology and costs of chronic obstructive pulmonary disease. Eur Respir J 2006;27:188-207. [Free Full Text]
  2. Lopez AD, Shibuya K, Rao C, et al. Chronic obstructive pulmonary disease: current burden and future projections. Eur Respir J 2006;27:397-412. [Free Full Text]
  3. Calverley PM, Walker P. Chronic obstructive pulmonary disease. Lancet 2003;362:1053-1061. [CrossRef][Web of Science][Medline]
  4. Anthonisen NR, Skeans MA, Wise RA, Manfreda J, Kanner RE, Connett JE. The effects of a smoking cessation intervention on 14.5-year mortality: a randomized clinical trial. Ann Intern Med 2005;142:233-239. [Free Full Text]
  5. Fabio Pitta, PhD, et All. Are paients with chronic obstructive pulmonary disease more active after pulmonary rehabilitation? Chest 2008;134;273-280; [ Free Full Text]
  6. Ministério da Justiça do Brasil;
  7. Ministério da Saúde do Brasil;
  8. INCa- Instituto Nacional do Câncer;
  9. Pesquisa Instituto Datafolha- ACT ( Aliança de controle do Tabagismo).

Veja outros Artigos da Série “Pare de fumar:”

ZOO LÓGICO? -Salvem a Atmosfera das nossas crianças

Cigarros são também prejudiciais a saúde financeira

Prezado Tiger Woods: Cigarro, Charuto ou Cachimbo são derivados de tabaco e todos são mortais, inclusive na estratégia de marketing

Video sobre DPOC-  DP o quê?

Fumar durante a gravidez = “Fogo amigo !”

ENGLISH


The Mathematics of Smoking = COPD + Plus

Since 2003 Brazil has signed an international treaty called the Framework Convention, which requires from countries that signed the Convention to adopt policies for tobacco control and protect present and future generations of environmental damage, economic and public health created by exposure of active or secondhand  smoking cigarette, both lethal!

Smoking and Health

The costs of tobacco in Brazil, according to a World Bank study carried out taking into account the hospitalizations associated with smoking that occurred in the Brazilian Public System (SUS) from 1996 to 2005, revolving around U.S. $ 500 million.

Approximately R$ 340 million (Reals) is spent only with hospital admissions for cancers, cardiovascular and respiratory diseases attributable to smoking. This sum is equivalent to nearly 30% of total hospital costs for health care to treat these diseases.

This follows from the fact that smoking be related to different types of pathologies, tobacco is relation with 52 different international codes of diseases. For this reason, smoke leads to a number of deaths of about 200,000 people per year in Brazil, killing more than malaria, smallpox and AIDS combined, according to the Brazilian National Cancer Institute (INCa) and the Ministry of Health of Brazil.

The Brazilian Statistics Institute (IBGE) recently revealed the number of smokers in Brazil is 24.6 million, of which 81.3% (20 million) are over 18 years. According to the the  Datafolha Statistics Institute, the Brazilians has expressed  an favorably opinion in relation to the cigarette tax increase, with 63% of the population waving favorably. Almost 88% agree that taxes paid by Tobacco industry should go to the health sector. This could provide a solution to the no return of “CPMF’s unpopular banned tax,” And while at the same time this solution could balance the government budget.

In relation to passive smokers, the anti-smoking laws implemented in Brazil, were a major breakthrough, which must be ratified by Brazilian National Congress through the adjustment has not supplemented the Federal Law No. 9.294/96, by a Law project number 315/08  that aims to repair it, and that remains in progress.

Other adjustments are still needed as the proposition to prohibit sale of cigarettes in school perimeter, such that greater vigilance to curb the sale of spare product, which could greatly improve protection among children and adolescents. After all, nicotine is proven that the drug causes more deaths worldwide and is directly responsible for 90% of cases of lung cancer, a disease with poor prognosis and extremely lethal.

Most Brazilian smokers want to quit smoking. But they need private health plans and government provide access to their clients to the treatment of smoking in its entirety, incorporating medications indicated by the medical literature, covering the treatment of withdrawal syndrome and increase the success rates, allowing assessed medical use since the Nicotine patch alone, the use of Bupropion or Varenicline isolated or associated.

Effort to deploy with the Family Health Program would be beneficial, popularizing simple tests such as spirometry and working in a larger sphere reaching children and youth either in prevention or providing reduction in cancers, cardiovascular and respiratory diseases attributable to smoking.

This act greatly contribute to the awareness and to decrease the Chronic Obstructive Pulmonary Disease (COPD), which is the fourth leading cause of mortality worldwide.

Math smoking: Smoking = COPD + P

If it were a mathematical formula, it could express smoking as follows:

“ Smoking= COPD + Plus


In other words, Smoking-equals Cardiac, Oncology, Pulmonary Diseases plus Pediatric disease.

The proposition of PULMAOSA is the adoption of  COPD + Plus’ program in relation to smoking would produce clear benefits for Public Health and also for the Brazilian and also for other countries Economy.

The basis of the proposed program is in its mathematical formula. In other words, actions aimed at combating smoking should be conducted in a comprehensive way, incorporating interfaces Pulmonary, Oncology, Cardiac and also children’s aspects.

The Brazilian National Program for Family’s Health would have the task of government action. Besides the programs already implemented on hypertension and diabetes would be desirable to add an lung interface, where spirometry is given an upgrade status review becoming an usual exam for Chronic Obstructive Pulmonary Disease (COPD) diagnosis, focusing not only preventive, but treatment targets, whose supply of drugs such as B2 and Anticholinergics short and also long-acting, coupled with the availability of inhaled corticosteroids should be accessible to people with  chronic bronchitis and pulmonary emphysema, the COPD’s  interfaces.

The Paediatric  and Oncology interfaces would also be added, incorporating respiratories vaccines as new Pneumococcal vaccine Prevenar13, already approved by the CDC in the United States, and also Pneumo23.

We would enclose the causes of COPD( Chronic Obstructive Disease),  and would fight the tobacco in a comprehensive way. We would have a better allocation of resources from the economy and the decreased numbers of hospitalizations for all these diseases mentioned above with a detach to cardiologic ones, and also register a fall in the number of morbidity and mortality caused by pneumococcal diseases.

This plan should be incorporated in the agenda not only of the World Health Organization ( WHO) and Nations’ Ministry of Health, but by the weight and number of the involved diseases must appear in the agenda of the current candidates for President of this year’s election in Brazil.

When discussing smoking, we faced with subjects of interest to both the Public Health and for National Security.

It is therefore a noble project that involves Environmental, Socio Economic, Medical Causes. And Now: A Math One!

Sincerely,
Dr. Marcos Nascimento, Md.
Medical Editor of
PULMAOSA: Lungs, Your atmosphere, your life! ®
Pulmonology Professor at College of Medicine of PUCPR -Curitiba- Brazil

Categorias:DPOC / COPD, DR./MD., Pare de Fumar / Quit, Principal Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: