Archive

Posts Tagged ‘PULMAOSA NEWS’

PulmaoSA Pulmonology’s Pearls 1

13 de junho de 2012 Comentários desligados

PulmaoSA Pulmonology’s Pearls 1 Occam’s Razor over Saint’s Triad

The @PulmaoSA is pleased to inaugurate with this post a series named Pulmonology Pearls with discussions whose the goals are:

  • Increasing the Health Professional Culture with a CHPE ( Continuous Health Professional Education);
  • Stimulate multiprofessional discussion about respiratory diseases and
  •  Benefit the patients with respiratory diseases.

Thus Physiotherapists, Nurses, Doctors and medical students and other students from health areas are invited to collaborate. The article will be posted here at PulmaoSA website, but the discussions will happen at  PulmaoSA Group in Facebook.
The discussions could be done in Portuguese and also in English.

So, Be Very Welcome!

The first article may be downloaded from the link below:

Occam’s Razor over Saint’s Triad

Sources:

@PulmaoSA – Lungs: Your Real Atmosphere: Your Life! ®

NEJM

Consumo de cigarros no Brasil cai para menos de 15%

10 de abril de 2012 Comentários desligados

Consumo de cigarros no Brasil cai para menos de 15%

(Rio de janeiro e Brasília) O Ministério da Saúde do Brasil divulgou nesta terça-feira (10) a pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), onde registra pela primeira vez desde que os dados passaram a ser colhidos em 2006 que o número de fumantes no país caiu de 15,1% em 2010 para 14,8% em 2011. Quando a pesquisa começou a ser feita, em 2006, a proporção de fumantes no país era de 16,2%.

A pesquisa Vigitel foi realizada com 54.144 pessoas, nas 26 capitais dos estados brasileiros e mais Brasília (distrito federal)

DADOS

  • 11,8% dos brasileiros são fumantes passivos – pessoas que não fumam, mas moram com pelo menos um fumante. Além disso, 12,2% das pessoas que não fumam convivem com algum colega fumante no trabalho
  • O número de fumantes pesados – que fumam mais de 20 cigarros por dia – também caiu e está em 4,3%.
  • A frequência de fumantes permanece maior entre homens (18,1%), em comparaçnao com as mulheres (12%). No entanto, a população masculina lidera a redução do hábito de fumar – 25% dos homens declararam ter parado de fumar.
  • 200.000 brasileiros morrem por ano por causas associadas ao tabagismo, como doenças cardiovasculares, câncer de pulmão e doença pulmonar obstrutiva crônica ( bronquite crônica e enfisema pulmonar).
  • Gasto público no Brasil com o tabagismo: R$ 19 milhões por ano com diagnóstico e tratamento de doenças causadas por tabagismo passivo.

Capitais
As capitais do Sul do país registraram o maior percentual de fumantes no país: Porto Alegre com 22,6%, seguida por Curitiba com20,2%. São Paulo na região sudeste é a terceira cidade do ranking com 19,3%. As capitais com menos fumantes são: Maceió (7,8%), Salvador (8,6%), Aracaju (9,4%) e João Pessoa (9,4%). No Distrito Federal o percentual é de 13,5% e no Rio de Janeiro é de 14,1%.

Segundo o Dr. Marcos Nascimento, consultor médico da @PulmaoSA, “aliado a uma prevenção maior destinada as mulheres, os jovens e as crianças, estes dados apontam para a necessidade de se implantar também políticas regionalizadas visando obter uma maior redução no consumo dos derivados de tabaco e intensificar a tendência de queda do tabagismo no Brasil.”

 Alvos Estratégicos:

  • “ Os dados apontam também para necessidade de mais incentivo para a prevenção do tabagismo via educação escolar, uma vez que quanto maior a escolaridade, menor a chance de a pessoa começar a fumar.’
  • Um outro alvo regional para o ministério da Saúde, mas também para os Ministérios da Justiça e da fazenda  e que estende seus tentáculos para o resto do país, é o cigarro contrabandeado proveniente do Paraguai, que registra um forte consumo no sul do Brasil, e onera o erário duplamente por não arrecadar impostos e provocar mais de 50 doenças tabaco relacionadas.
  • Isto poderia ser aliado a uma política de substituição da cultura do tabaco por outras comoditties como trigo/ Milho/ soja já existentes na região sul, e poderia se somar ao de frutas com alto valor agregado como amoras e mirtilo,  associando-se a criação de um diferencial com frutas e legumes por exemplo, com baixos índices de agrotóxicos que poderiam ser destinados não apenas ao mercado interno em expansão mas com o propósito também de ganhar o mercado internacional que exige altos índices de segurança alimentar, complementa o Dr. Nascimento.”

 

FONTES:

Ministério da Saúde do Brasil – 2011, Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico);

Australia: o país que se tornou um sinônimo de Saúde Pública

1 de abril de 2012 Comentários desligados

Australia: o país  que se tornou um sinônimo de Saúde Pública

Mesmo enfrentando processos movidos pela indústria tabagista em cortes internacionais, a Austrália decidiu definitivamente entrar na vanguarda em termos de saúde Pública e deve se tornar, no final de 2012, o primeiro país a retirar as logomarcas dos maços de cigarros.

Como já abordado em artigo recente pela PULMAOSA, intitulado ” O Bat sinal da Austrália,” o país vai adotar uma embalagem padronizada para os maços de cigarros, eliminando assim as cores e chamarizes para os jovens e as crianças.

Este é o papel de quem zela pela saúde pública do seu povo, afirma o editor médico da PULMAOSA, o Dr. Marcos Nascimento. “Todavia, para o sucesso desta medida, merecedora de aplausos, a Organização Mundial da Saúde e os 170 países que ratificaram a convenção Quadro para o Controle do Tabaco, como o Brasil e o Uruguai deveriam apoiar a Austrália, e não devem ficar esperando pelo resultado dos julgamentos dos processos movidos pela indústria do fumo. Não restam dúvidas, dada a grandeza e o exemplo da medida australiana,  que a OMS deveria aconselhar aos demais países a seguirem o exemplo da Australia,” complementa o Dr. Nascimento.

FONTES:

PULMAOSA NEWS

Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, OMS: Organização Mundial de Saúde.

The toll charged for Chronic Diseases in Brazil, USA and the World

16 de março de 2012 Comentários desligados

The toll charged for Chronic Diseases in Brazil, USA and the World

If an exercise or do a search on the most comprehensive reported by national and international media in mid-march 2012, we came coincidentally with a few facts that concern so urgent and so immediate society (or the media itself) : Economic Crisis in Europe and the United States, the Afghanistan crisis, the Brazilians travel abroad, a record of tax incessantly beaten by the government in Brazil, and violence both real life and virtual …
Very rarely has been observed that news will affect our daily life in 5 or 10 or 50 years.
There is an automatic search for media events that have impacted or will impact in the coming seconds, minutes, days, and would risk a maximum in the coming months.
The exploration of events that will occur in larger ranges become increasingly rare, except perhaps the 2014 World Cup and the Olympics in London in 2012 and the Election of the next president of the United States among a few others .. .

Although the World Health Organization (WHO) has made numerous warnings, a fact that has gone slightly unnoticed are the impacts and consequences caused by chronic diseases today and in the next 20 years.

But what is Chronic Disease?

Chronic diseases are prolonged conditions that often do not improve and are rarely cured completely.
There are those that are transmitted as tuberculosis, Chagas disease, hepatitis, AIDS, etc.., And those who are called non-communicable diseases (also called non-communicating) and among which include diabetes, dementia, cancer, congestive heart failure, COPD (Chronic Obstructive Pulmonary Disease) bronchial asthma.
The increasing incidence of chronic disease is a challenge for health services in Brazil and worldwide.

Chronic diseases are by far the leading cause of death worldwide, accounting for 63% of all deaths. Of the 36 million people who died from chronic diseases in 2008, nine million were under 60 years and ninety percent of these premature deaths occurred in low and middle income.

In Brazil 72% of all deaths were attributed to non-communicable diseases in 2007.

Over the next 10 years the WHO projects an increase of 22% to 10 million deaths from chronic noncommunicable diseases in Brazil, and cardiovascular disease as the major cause. Morbidity and mortality from noncommunicable diseases are greater in the poor. The most common causes associated with chronic diseases in Brazil are listed in Figure 1.

Fig 1 – Deaths designed for chronic diseases in Brazil. Adapted from WHO NCD Country Profiles 2011.

  • Why are chronic diseases have such an impact on health?

The Chronic diseases have a profound effect on the physical, emotional and mental well-being of individuals, often making it difficult to continue with normal daily activities and relationships. This implies severe personal cost with high impact on health that is associated with economic costs, since labor is associated with absenteeism, sick leave involving lead removal in temporary or even permanent job generating early retirement and therefore drop the index productivity of the country.

  • What are the risk factors? How to reduce the risk of chronic diseases?

Risk factors for chronic diseases are associated with both genetic and acquired the criteria as dietary habits and the amount of vegetables and fruit (fiber) consumed, the concentration of sodium (salt), fat, trans fat (industrialized) and behavioral as the use of tobacco and its derivatives.
Remember that all food processing industry that generated gains in scale adopted in the 19th and 20th centuries, have adopted practices that have raised since the quantities of pesticides and agrochemicals for food production to the levels of fat, salt, sugar, and other food preservatives, many of artificial origin. Sweeteners and artificial flavorings followed more recently by the introduction of the food industry’s use of modified fats called trans fats that increase not only the food durability, but are closely associated with the development of cardiovascular disease – There is therefore, a total prohibition of its use in Scandinavian countries and Canada for example.
However, we must clarify that in many cases, health outcomes can be improved, depending on access to preventive and early diagnosis and appropriate medical services, guarantee of therapeutic treatment, access to information and the possibility of individual choices ranging from the daily exercise, the protection of public smoke-free places (chronic lung diseases, cancers) and a healthier diet, with such low levels of sodium, total absence of trans fats in foods (CVD) and the creation of suitable institutions indexes that measure the amount of pesticides (associated with cancers), in parts per billion or trillion (ppb. or ppt.) compatible with the requirements of FAO (the UN body responsible for controlling the food production) and other European regulators and the U.S.D.A. and also the Food and Drugs Administration (FDA).

  • The toll charged for Tobacco in Brazil and the World

Among the chronic diseases, it is noteworthy that among the three major preventable causes, two are occupied by the use of tobacco products. The first and foremost active smoking in second place followed by traffic accidents and in third place by passive smoking or secondary.

You have to remember that smoking itself is considered a pathology that has its own  ICD (International Classification of Disease)  to designate it, the F17.2.

Smoking is responsible for the generation of 52 other diseases, so that you can illustrate your power to see damage to be the main cause of disease is not communicating, causing 30% of all cancer deaths, including Lung cancer, head of the pathology of deaths among both men and women in the United States and Brazil, and be responsible for 80% of deaths from chronic obstructive pulmonary disease (COPD), popularly known as emphysema and chronic bronchitis.

The US Toll Charged for Chronic Diseases

Just to compare the US proportionally mortality is:

Cardiovascular Diseases answers for 35%; Cancers for 23%; Respirtory Diseases 7%; Diabetes 3%; Injuries 7%; Communicable, maternal, perinatal and nutritional comditions 6%; Other NCDs 19%;

  • Toll Charged in Lives:

Tobacco use unfortunatelly killed 100 million people in the 20th century. If current trends continue, tobacco will kill a billion people in the 21st century.

• Tobacco kills in the world more than 5 million people per year and accounts for one in 10 deaths among adults.
• The tobacco will kill more than 8 million people worldwide each year until the year 2030, with 80 percent of those deaths in low and middle income.
• Secondhand smoke kills more than 600,000 people worldwide each year, including 165,000 children.
• Tobacco production damages the environment by using too many pesticides, pollute groundwater and disposal, in addition to diverting agricultural land that could be used to produce food.
Toll in Brazil:
The costs of tobacco in Brazil, according to World Bank study carried out taking into account the tobacco-related hospitalizations occurred in the Public Service named SUS from 1996 to 2005, revolve around Us $ 500 million.

In Brazil, approximately R$ 340 million (Real$) is spent on hospitalization only for cases of cancer, cardiovascular and respiratory diseases attributable to smoking. Sum equivalent to almost 30% of total hospital costs for health care to treat these diseases.
Remember: This follows from the fact that smoking be related to different types of conditions, generating another 52 international code of diseases. Therefore, smoking leads to a number of deaths of about 200,000 people per year in Brazil, killing more than Malaria, Smallpox, and AIDS combined, according to the Brazil’s National Cancer Institute and the Ministry of Health.
The Brazilian National Institute of statistics (IBGE) has recently revealed that the number of smokers in Brazil is 24.6 million, of which 81.3% (20 million) are over 18 years. And according to the Datafolha there in relation to smoking a favorable opinion to the tax increase, with 63% of the population in favor of waving, and 88% agree that taxes paid by the industry should go to the health sector and can provide a solution to the non-return the CPMF unpopular, while balancing the government budget.
In 2011 the Brazilian government finally adopted a historic measure to protect public health from more than 190 million Brazilians to enact a comprehensive law on tobacco control. Signed by the president Rousef, the new law has made Brazil the largest country in the world completely free of active and secondhand smoking.
Meanwhile, it is noteworthy that further adjustments are still needed as the proposition to ban sale of cigarettes at school perimeter, popularize the spirometry test – to assess lung function and allows earlier diagnosis of COPD (the popular test of breath”) as well as increased surveillance to curb the sale of spare product, which could greatly improve the protection among children and adolescents.  After all, nicotine is a proven drug that causes more deaths worldwide and is directly responsible for more than 90% of cases of lung cancer, a disease with poor prognosis and extremely lethal.
Regarding chronic diseases some solutions can be identified as suggestions and are adopted not only by public power, but that due to the gain that can provide both health and in terms of economic productivity, would be required knowledge and persecuted by administrators private insurers and the companies and industrialists such as OGX, Gerdau, Embraer, Azul Airlines,  Jet Blue, Boeing, Apple, Walgreens, Ford, General Eletric, etc..

  1. That at least 80% of cardiovascular disease, stroke and type 2 diabetes and 40% of cases of cancers could be preventable when encouraging a healthy diet, regular exercise, and avoiding the use of all derivatives such as tobacco or cigarettes Nargileh;
  2. WHO estimates that if there was an additional reduction of 2% in the number of deaths from chronic diseases in Brazil over the next 10 years, this would allow the country to an economic gain of $ 4 billion – money that could be applied in Health and education. Thus eliminating the worst weight that a land can support… which is ignorance!

SOURCES:
WHO – World Health Organization: NCD Country Profiles, 20011

PulmaoSA –  LUNGS: Your atmosphere, Your Life!

Follow PulmaoSA on Twitter PulmaoSA
Facebook PulmaoSA

Ética Deve ser Global, e não local

11 de março de 2012 Comentários desligados

Ética Deve ser Global, não local

                                    Dr. Marcos Nascimento, MD.

Nesta semana ocorrerá reunião da diretoria da agencia reguladora do Brasil –ANVISA- em se que abordará a questão da proibição/restrição da adição de açucares, aromatizantes ou flavorizantes que dêem sabores ao tabaco e aos seus subprodutos como os cigarros.

Resumidamente há três focos a serem discutidos nesta reunião:

1.    O Tabagismo e suas consequências para a Saúde Pública:

O Tabagismo por estar associado a mais de 50 doenças, é tido como a maior preocupação da Organização Mundial da Saúde, ocasionando ruína pessoal e mortes em escala global na ordem de 200.000/ ano no Brasil e Seis Milhões de pessoas no mundo 1

A adição de quaisquer tipos de açúcares e ou aditivos à base de menta e outros aromatizantes, reconhecidamente aumentam tanto o poder da adição da nicotina ( vício), como a liberação de várias toxinas como o alcetaldeído 2, estimulando desta forma a iniciação dos jovens e adolescentes a produtos derivados de tabaco, principalmente os cigarros, mas também  no fumo usado para charutos, cachimbos e narguilé por exemplo.

2.    A versão da Indústria Tabagista:

 A indústria tabagista internacional  age conforme o esperado para uma empresa que possui ações na bolsa de valores justificando o lucro do seu negócio perante os seus acionistas. Para isso, nega as evidências científicas de que o açúcar aumenta o poder viciante da nicotina.

Outrossim, a Indústria do fumo tenta transformar a discussão focando apenas a questão econômica a respeito de uma commoditie internacional e as decorrentes consequências nos mercados local e internacional de tabaco, regateando sobre o quanto a proibição dos flavorizantes e do açúcar poderá  afetar as exportações brasileiras, e em concomitância…  o seu  lucro!

 3.    O Papel da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária –ANVISA:

Por definição, a agência reguladora foi criada para defender o interesse da população, isto é o interesse de todos os cidadãos brasileiros que pagam os seus impostos e confiam que sempre a postura ética será tomada em favor dos interesses da Saúde Pública, conforme descrito na página virtual na internet da própria ANVISA ( veja a figura abaixo).

Missão da Anvisa

 

Ao envolver os danos provocados pelo tabagismo, a discussão do dia 13 de março abordará uma causa de preocupação mundial em relação a vida humana, e será sobretudo sobre Ética.  Mas o que é a Ética? A Ética dos negócios pode ser aplicada ou adaptada de acordo com regras locais ou deve ser a mesma globalmente?

Avaliando os argumentos da indústria tabagista, não se consegue descobrir como líderes de organizações empresariais podem atuar com um conjunto de princípios em sua terra natal e outra no exterior. Em se tratando de princípios, a Ética DEVE ser GLOBAL e NÃO local!

Portanto, o que estamos discutindo aqui, e o que se discutirá em Brasília na próxima terça-feira (13 de março), é se a Ética funciona ou não no mundo real.

Ética numa definição simples de Paulo Coelho: “ É a preocupação com o seu vizinho, é pensar duas vezes antes de agir em benefício próprio ( vídeo em Inglês)

E sobretudo, se quando somos instados a defender a Ética e reconstruir as ruínas do sistema,  possamos recolocar a Saúde Humana próxima dos valores do coração e não ao lado do dinheiro.

Em suma, espera-se que a Ética compareça `a reunião da diretoria da Agência Reguladora brasileira, e não se  resuma apenas a uma definição virtual em sua página da internet, e  que esteja sim, de fato, alinhada com o mundo real.

FONTES:

  1. 1.    OMS – Organização Mundial de Saúde
  2. 2.    Talhout et al, 2007:  sugars in tobacco
  3. 3.    ANVISA – Web Page
  4. 4.    Paulo Coelho, YouTube free Video

 

 

 

A Relevância da DPOC na Atual Crise Econômica Mundial

14 de novembro de 2011 Comentários desligados

Dia Mundial da DPOC

A Relevância da DPOC na Atual Crise Econômica Mundial

A palávra DPOC – é uma sigla para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – Populamente conhecida como Enfisema pulmonar e bronquite crônica. O Objetivo deste artigo é analizar o impacto da DPOC sobre a produtividade das empresas e em concomitância avaliar a sua relevância para a crise economica mundial.

RX da DPOC e ECONOMIA

DPOC e Economia

A bronquite crônica e o enfisema pulmonar cobram um pedágio caro da economia mundial. Em 2010, o custo nacional anual da DPOC nos Estados Unidos foi estimado em cerca de 49,9 bilhões dólares pelo National Heart, Lung, and Blood Institute [1].

Nos Estados Unidos a DPOC eleva os custos de saúde empresarial pois provoca incapacidade e perda de produtividade. O ônus econômico das doenças pulmonares crónicas sobre as empresas é de fato pesado, sendo este conhecimento uma relevância vital para a gestão de negócios. De maneira que ao propiciar tratamento do tabagismo aliado a uma gestão adequada dos funcionários com esta doença progressiva pode-se economizar custos significativos para uma empresa, e ao mesmo tempo, melhorar a sua produtividade. [2,3]

Os custos médicos foram 3 vezes maior para os empregados portadores da DPOC. Absenteísmo e e o absenteismo presencial são particularmente prevalentes nesta população de pacientes. Como consequência, a sensibilização para a cessação do tabagismo no local de trabalho e implementação de incentivos bem sucedida a parar de fumar, proporcionar o  diagnóstico da DPOC, e incentivar o tratamento precoce, promove uma melhora significativa da produtividade, e reduz consideravelmente os custos para os empregadores. [4]

Normalmente, a alta administração não se interessa pela incidência de doenças ou em promover  pequenas melhorias com medicação e/ou com a prevenção vacinal de infecções, de tal sorte que estas medidas não fazem parte dos rituais para a decisão de negócios.

Mas se os CEOs soubessem que o custo de um empregado com DPOC em média é U$ 20.000 dólares/ano, ao contrário de U$ 8.000 dólares para um empregado sem DPOC – ou em outras palavrasque estão perdendo 12.000 dólares por empregado por causa da DPOC [2],  isso poderia se tornar um incentivo para fazer algo no intuito de conter as perdas de produtividade, que diga-se de passagem são desnecessárias em qualquer momento, e inclusive nesta atual crise mundial de crédito.

Educação via Fórmula Matemática: Tabagismo = DPOC + PLUS

A interação de negócios e iniciativas de regulamentação em saúde pública podem ajudar a reduzir o peso econômico desta doença, a partir da observação da existência de perdas de produtividade tanto para as empresas, quanto para a sociedade que paga seus impostos, mas certamente estes dados têm um papel crucial na prevenção e no tratamento dos portadores da DPOC.
E isto pode e deve começar com a educação sobre a doença …

Ao alertar para a necessidade de se conhecer os custos da DPOC e do tabagismo por parte dos empregadores, e seu impacto para a saúde pública visa-se  fornecer uma outra perspectiva no combate para a crise econômica nos dias de hoje.

Em outro artigo, sugeriu-se via uma “fórmula matemática” que podería expressar o impacto das doenças tabaco-relacionadas, a partir de um anagrama:
Tabagismo = DPOC + Plus [5]

Se com estes alertas pudermos ao menos contribuir para popularizar o termo DPOC, para a compreensão de que ao propiciar diagnóstico e fornecer tratamento precoce tanto para os portadores da DPOC quanto para os tabagistas é uma maneira de se aumentar a produtividade das empresas, estaremos de uma maneira gentil promovendo a diminuição da carga social e econômica sobre estes pacientes com DPOC, e quiçá também salvando vidas. Mais que Matemática, isto seria impagável!

Referências: 

  1. Lung Association. Trends in COPD (chronic bronchitis and emphysema): morbidity and mortality. February 2010. http://www.lungusa.org/findingcures/our-research/trend-reports/copd-trend-report.pdf.Accessed May 23, 2011.
  2. Bunn W, Pikelny D, Vogenberg FR, et al. Validation of employerfocused actuarial model for measuring the economic burden of chronic obstructive pulmonary disease. J Health Productiv. 2008;3:3-8.
  3. Halbert RJ, Isonaka S, George D, Igbal A. Interpreting COPD prevalence estimates: what is the true burden of disease? Chest. 2003;123: 1684-1692.
  4. Darkow T, Kadlubek PJ, Shah H, et al. A retrospective analysis of disability and its related costs among employees with chronic obstructive pulmonary disease. J Occup Environ Med. 2007;49:22-30.
  5. Nascimento, MHS. A Matemática do tabagismo = DPOC + Plus. Site PulmaoSA

Respeitosamente,
Marcos Nascimento, MD.
Professor da PUCPR Faculdade de Medicina

A interferência da indústria tabagista

8 de novembro de 2011 Comentários desligados

A interferência da indústria tabagista

A interferência da indústria tabagista

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) escolheu “a interferência da indústria do tabaco” como tema para o dia Mundial Sem Cigarro 2012, que você sabe será comemorado em 31 de maio.

A campanha se concentrará na necessidade de expor e contador de tentativas por parte da indústria do tabaco cada vez mais descarada e agressiva para bloquear a Convenção Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT).  A medida que mais países implementam a Convenção-Quadro, a indústria do tabaco tem exercido esforços para combater a filosofia e a prática do tratatado.

Você pode obter mais informações no site da OMS no seguinte endereço: http://www.who.int/tobacco/wntd/201/announcement/en/

Veja também:

“ZOO Logico?”

O Bat sinal da Saúde Pública da Austrália

FONTES

PULMAOSANEWS

%d blogueiros gostam disto: